Moraes deve ter visto “indícios fortes” para autorizar operação, diz Mourão

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta 5ª feira (20.ma.2021) que o ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal) “provavelmente reconheceu que existem indícios fortes” de irregularidades para autorizas a Operação Akuanduba, que mirou o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Para Mourão, ainda é preciso aguardar o desenvolvimento das investigações.

Nessa 4ª feira (19.mai), a PF (Polícia Federal) realizou ações de busca e apreensão em endereços ligados a Salles. O ministro também teve seu sigilos fiscal e bancário quebrados. Servidores do ministério, o presidente do Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis), Eduardo Fortunato Bim, e outros agentes do órgão ambiental foram afastados.

Toda história tem dois lados, por isso que tem que fazer uma investigação policial. Não se pode condenar a priori. O ministro Alexandre de Moraes do STF ao autorizar isso provavelmente ele reconheceu que existem indícios fortes. Senão, ele não teria autorizado. Vamos aguardar“, declarou em conversa com jornalistas nesta 5ª feira.

A investigação apura delitos praticados por agentes públicos ligados ao Ministério do Meio Ambiente e ao Ibama e por empresários do ramo madeireiro. São investigados crimes de corrupção, advocacia administrativa, prevaricação e facilitação de contrabando.

Questionado, Mourão evitou opinar sobre um possível afastamento de Salles do governo. “Isso aí é decisão do presidente [Jair Bolsonaro]. O ministro conversou com o presidente. O presidente deve ter considerado as razões que ele apresentou e aguarda aí o desenrolar dessa investigação“, disse.

Na decisão que autorizou as busca da PF, Alexandre de Moraes afirma que o caso se trata de um “grave esquema de facilitação ao contrabando de produtos florestais“. Eis a íntegra da decisão (6 MB) e seu complemento (1 MB). Em fala à imprensa nessa 4ª feira, Salles declarou que a operação foi “exagerada e desnecessária”.

PAZUELLO NA CPI

Mourão também comentou sobre o depoimento do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado. O vice-presidente disse que o general foi “firme e seguro” em suas respostas, algo que já esperava, segundo ele.

Respondeu tudo que foi perguntado a exceção de um assunto exatamente ligado a questão de Manaus, onde ele está respondendo um inquérito da Polícia Federal“, afirmou. O ex-ministro retomou seu depoimento nesta 5ª feira, depois de ter passado mal e ter seu depoimento suspenso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: