Mexicanos votam em eleição-chave para o projeto de López Obrador

O México renova, neste domingo (6), sua Câmara de Deputados e cerca de 20 mil cargos locais, em uma eleição marcada pela pandemia e a violência, que colocará à prova o presidente Andrés Manuel López Obrador.

Os centros de votação foram abertos às 8h (10h no horário de Brasília) para os cerca de 95 milhões de mexicanos, que são chamados a eleger, além disso, 15 dos 32 governadores, num momento em que o país completa 20 semanas com números em queda da Covid-19.

Mesmo assim, com 228.146 mortes, o México é o quarto país mais afetado pela pandemia em números absolutos e o décimo nono em relação aos números por 100.000 habitantes.

A crise sanitária soma-se à pobreza, situação em que metade da população – 126 milhões – já vivia antes do novo coronavírus.

As eleições são realizadas após uma campanha sangrenta que resultou em 91 políticos assassinados desde setembro passado. Desses, 36 eram candidatos ou pré-candidatos.

López Obrador, que atribui a violência a uma estratégia do crime organizado para ampliar seu poder, afirma que a segurança para a votação está garantida. Em 2018, 48 candidatos foram assassinados.

“Enquanto os candidatos competem por votos, os grupos criminosos estão ocupados procurando aliados em potencial entre as futuras autoridades”, diz a ONG International Crisis Group.

Caráter plebiscitário

Membros da Guarda Nacional fazem vigilância enquanto trabalhadores do Instituto Nacional Eleitoral (INE) descarregam um caminhão com material eleitoral, a ser distribuído nas seções eleitorais, antes das eleições em Nahuatzen, México, — Foto: Alan Ortega/Reuters

Membros da Guarda Nacional fazem vigilância enquanto trabalhadores do Instituto Nacional Eleitoral (INE) descarregam um caminhão com material eleitoral, a ser distribuído nas seções eleitorais, antes das eleições em Nahuatzen, México, — Foto: Alan Ortega/Reuters

Nesse contexto, a eleição tem caráter plebiscitário para o líder esquerdista, eleito em 2018 por seis anos e cuja popularidade ultrapassa 60%, segundo pesquisas.

“O presidente continua sendo o principal ator de todo o ecossistema político”, afirma a analista Paula Sofia Vázquez.

As eleições reeditam o processo em que López Obrador, de 67 anos, emergiu como candidato “antissistema” contra a corrupção dos partidos tradicionais PRI (centro), PAN (conservador) e PRD (esquerda), hoje unidos contra o governante Morena.

Essa coalizão “veio para confirmar a narrativa do presidente de que todos eram contra ele” e seu chamado à “transformação”, acrescenta Vázquez.

Em 2018, AMLO, como é chamado o governante, obteve dois terços dos 500 deputados, uma “maioria qualificada” que permite a modificação da Constituição.

Agora ele tenta manter esse controle, mas resultados díspares na economia, segurança e saúde não o garantem.

A economia mexicana, a segunda maior da América Latina, despencou 8,5% em 2020 arrastada pela pandemia, mas o governo espera uma recuperação de 6,5% este ano.

Enquanto isso, a violência dos cartéis de drogas persiste – com mais de 83.000 assassinatos nos últimos seis anos -, embora as autoridades relatem uma queda de 1,3% em 2020, a uma taxa de 27,01 homicídios por 100.000 habitantes.

A aliança oficialista passaria de 333 para 322 cadeiras, mantendo assim a “maioria simples” (metade mais um) necessária para aprovar leis ordinárias, segundo levantamento consolidado da Oraculus.

Entre as reformas propostas por López Obrador estão a do setor de energia – que devolveria o protagonismo ao Estado-, uma eleitoral e outra fiscal, segundo analistas.

Desde 1997, as eleições parlamentares reduziram ou arrancaram as maiorias dos partidos no poder.

A coalizão do Morena seguiria esse caminho, mas por muito pouco, graças à popularidade de AMLO, que promove vastos programas de apoio monetário a setores vulneráveis, diz Vázquez.

“Nunca ficamos sem comer, recebemos apoio nessa pandemia”, afirma Édgar Alonso, um comerciante da Cidade do México.

Sete em cada 10 famílias recebem auxílio do governo, que enfrenta uma oposição difusa.

Os decepcionados com AMLO “não têm para onde ir”, opina Carlos Bravo Regidor, do Centro de Investigación y Docencia Económicas.

Assim, o perigo para o partido no poder são seus demônios internos, desencadeados por uma suposta opacidade na seleção de candidatos e a polêmica sobre o apoio de López Obrador a um candidato a governador acusado de abuso sexual, que acabou abandonando a disputa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: