Metade das jornalistas mulheres na África sofreram assédio sexual no trabalho

As mulheres que trabalham na mídia africana têm duas vezes mais chances de sofrer assédio sexual no trabalho do que os homens, de acordo com um novo relatório da Women in News (Mulheres na Mídia), programa de desenvolvimento da WAN-IFRA (Associação Mundial de Editores de Notícias, na sigla em inglês). Eis a íntegra do relatório (2 MB).

O estudo é a 1ª coleta de dados em larga escala sobre assédio sexual na mídia na África, no qual a Women in News afirma corroborar “a crença de que o assédio é prevalente em todos os lugares e é um impedimento significativo para uma indústria de mídia saudável, independentemente do país ou contexto”.

“Em uma nova pesquisa de redações de oito países da África, cerca de uma em cada duas mulheres disse ter sofrido assédio sexual no local de trabalho. E geralmente apenas 30% desses casos são relatados em todo o continente.”

A Women in News entrevistou jornalistas em Botsuana, Quênia, Maláui, Ruanda, Tanzânia, Uganda, Zâmbia e Zimbábue entre julho e novembro de 2020. Das 584 pessoas que concluíram a pesquisa, 70% eram mulheres, 27% eram homens e 2,4% não declararam gênero. Os pesquisadores então realizaram entrevistas em profundidade com 32 gerentes e executivos de diferentes empresas de mídia.

De acordo com os resultados, para uma em cada duas mulheres, o assédio foi verbal (56%) e para uma em cada 3, o assédio foi físico (38%). Para os homens, 24% vivenciaram abuso sexual verbal e 15% sofreram abuso sexual físico. Entre as pessoas de gênero não-conformista, uma a cada duas (50%) já foi assediada verbalmente e 36% já sofreu abuso físico. (Observe que o tamanho desta amostra é muito pequeno –14 jornalistas de gênero não-conformista.)

A pessoa responsável pelo assédio foi mais frequentemente um gerente (41%) ou colega de trabalho (38%), e em alguns casos uma fonte (17%).

O registro de assédio sexual variou de acordo com os países: Botsuana teve as taxas mais baixas em geral, enquanto o Quênia teve a maior taxa de assédio verbal. A Tanzânia foi o país com a menor taxa de assédio físico.

O assédio verbal é igualmente comum entre os meios, mas o assédio físico é mais proeminente no televisivo.

A resposta mais comum que as pessoas receberam depois das queixas formais foi uma advertência ao acusado (41,6%); 7% dos assediadores foram suspensos e 4% foram demitidos. Os casos arquivados depois de revisão por parte da empresa foram 10%.

O ambiente geral da redação precisa mudar no Quênia”, disse a jornalista queniana Priscilla, uma das entrevistadas. “Uma das principais razões pelas quais as mulheres saem é porque não se sentem bem-vindas na redação. É como um ciclo vicioso porque você está em uma ambiente em que é provavelmente uma mulher a cada 6 homens, então você já se sente ameaçada, não bem-vinda e não consegue se encaixar nessa situação. E às vezes também vem com assédio e basicamente bullying.

A Women in News recomenda que, acima de tudo, gerentes e executivos levem todas as queixas a sério. As empresas devem adotar procedimentos para as reclamações e permitir denúncias anônimas. As recomendações da WIN podem ser encontradas aqui, e você pode ler o relatório completo aqui.


Hanna’ Tameez é redatora do Nieman Lab. Antes, ela na WhereBy.Us e no Fort Worth Star-Telegram.

Texto traduzido por Gabriella Soares. Leia o texto original em inglês.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: