Melhor campanha, Flamengo aposta em quinteto ofensivo por título do Brasileirão sub-17

Distante do momento turbulento dos profissionais, a equipe sub-17 do Flamengo inicia nesta quinta-feira as quartas de final do Campeonato Brasileiro da categoria com motivos para sonhar com o título. Os meninos rubro-negros terminaram a primeira fase com a melhor campanha do torneio: oito vitórias e uma derrota em nove partidas, um aproveitamento de 88%.

O duelo nas quartas de final será contra o Atlético-MG. O jogo de ida acontece às 15h30 (de Brasília), no Sesc Alterosas, com transmissão do SporTV. A volta está marcada para a próxima quinta-feira, no Rio de Janeiro.

– Nossa ideia de jogo é ter uma marcação muito forte e buscar a baliza do adversário o mais rápido possível. Eu acredito que a gente tem conseguido fazer isso há muito tempo, desde as outras categorias que a gente trabalhou com esses meninos. Estamos felizes e orgulhosos pelo que fizemos na primeira parte da competição, mas agora é outro momento. São jogos de 180 minutos que a gente precisa ter muito cuidado. Então, espero que nosso time consiga manter o equilíbrio que estamos tendo na competição e fazer um bom jogo nessas duas partidas diante do Atlético-MG – disse o técnico Mario Jorge.

Jogadores do Flamengo comemoram gol na vitória por 6 a 2 sobre o Bahia — Foto: Marcelo Cortes / Flamengo

Quinteto ofensivo se destaca

Na campanha da primeira fase, um quinteto ofensivo se destacou no Flamengo. Os meias Matheus França e Victor Hugo e os atacantes Petterson, Mateusão e Matheus Gonçalves foram os responsáveis por todos os 23 gols da equipe na competição.Os gols do Flamengo no Brasileiro sub-17Mateusão: 5Victor Hugo: 5Petterson: 5Matheus França: 5Matheus Gonçalves: 3Victor Hugo
5

Do quinteto, todos já tiveram passagens pelas seleções de base. O mais novo, Matheus Gonçalves, tem 15 anos, começou o torneio no banco, mas, com boas atuações iniciais, se juntou à equipe titular nas últimas partidas. Entretanto, está fora do jogo contra o Galo, pois ainda se recupera após ter Covid-19.

A expectativa é de que os outros meninos subam para o sub-20 a partir da próxima temporada, para dar sequência a seu desenvolvimento.

– Eu vejo os meninos em um estágio de desenvolvimento muito bacana. Um estágio de maturidade de jogo, de comportamento e maturidade psicológica muito bom. A tendência é de que eles criem mais casca daqui pra frente com as competições e treinamentos, pra que consigam suportar a pressão que o futebol acaba exercendo sobre eles. Vejo com bons olhos a ascensão deles no próximo ano para a categoria Sub-20 e acredito muito no potencial que esses meninos podem dar, tanto de retorno técnico como financeiro para o Flamengo – completou Mario Jorge.

Matheus Gonçalves Flamengo sub-17 — Foto: Gilvan de Souza / Flamengo

Jogadores exaltam entendimento dentro de campo

A responsabilidade ofensiva ficará repartida entre os outros quatro jogadores. O mais experiente é Mateusão, centroavante que veio do América-MG e já atuou, inclusive, pelos profissionais do Flamengo no Campeonato Carioca.

– Acho que o diferencial foi a nossa união. Nossa relação é muito boa. Tem jogadas que ensaiamos, mas a maioria dos lances são naturais. A gente se conhece bem dentro de campo, e isso facilita no nosso trabalho. Acho que o entrosamento vem de muito tempo. O professor nos deixa bem à vontade para se movimentar em campo, e sempre procuramos um ao outro – disse o atacante.

– São todos jogadores de muita qualidade, muito talento. A gente vem jogando junto há um tempo, e o entrosamento vai aumentando cada vez mais. Acredito que quando está todo mundo num dia bom, a gente consegue puxar a equipe para cima também – completou o meia Victor Hugo, outro destaque da equipe.

Matheus França, capitão da equipe, é visto como um dos jogadores de maior projeção na base rubro-negra. Petterson, atacante pelos lados, veio de Santa Catarina, trazido por Sávio, ex-atacante e ídolo do Flamengo.

Matheus França e Mateusão comemoram gol pelo Flamengo sub-17 — Foto: Marcelo Cortes / Flamengo

Outros setores do time também têm jogadores com passagem pelas seleções de base. Um deles é o goleiro Francisco Dyogo, um dos sobreviventes da tragédia no Ninho do Urubu, que defendeu pênalti na estreia do Brasileirão contra o Palmeiras. O lateral-esquerdo Zé Welinton, recém-contratado ao Desportivo Brasil, é outro exemplo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: