Justiça impõe 4 meses de prisão preventiva para Jeanine Áñez

Golpista da Bolívia Jeanine Áñez é presa por terrorismo

A justiça da Bolívia determinou quatro meses de prisão preventiva para a ex-presidente da Bolívia Jeanine Áñez, que foi detida por suspeita de ter conspirado pela renúncia do ex-presidente Evo Morales em 2019. O Ministério Público havia pedido seis meses.

“Me enviam para quatro meses de detenção para esperar o julgamento por um ‘golpe’ que nunca aconteceu”, afirmou Áñez em uma rede social no domingo (14), após ouvir a decisão da juíza Regina Santa Cruz. “Peço à Bolívia que tenha fé e esperança. Um dia, com todos, construiremos uma Bolívia melhor”.

A ex-presidente de 53 anos foi detida em sua casa no sábado (13), na cidade de Trinidad, capital do departamento de Beni (a 600 km ao nordeste de La Paz). Ela estava escondida dentro do baú de uma cama box.

Advogada e ex-apresentadora de televisão, Áñez deixou o governo em novembro, após a vitória no primeiro turno de Luis Arce, ex-ministro da Economia de Evo.

A suspeita contra Áñez

O Ministério Público justificou o pedido de detenção da ex-presidente pela suspeita de conspiração para executar um “golpe de Estado” contra Morales, que renunciou em novembro de 2019 em meio a grandes distúrbios sociais após a sua reeleição.

Os opositores de direita e centro denunciaram na época que Morales, que estava no poder desde 2006, havia cometido fraudes na eleição para continuar a governar de maneira ininterrupta até 2025.

Os protestos provocaram um motim policial e um pedido das Forças Armadas para que Morales deixasse o cargo, o que fez o então presidente a renunciar e seguir para o exílio no México (e depois para a Argentina).

Além da ex-presidente, outros cinco ex-ministros e chefes de polícia, civis e militares foram presos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: