fbpx

Justiça decreta a prisão do contraventor Rogério Andrade pela morte de Fernando Iggnácio

A juíza Viviane Ramos de Faria, da 1ª Vara Criminal do Fórum da Capital, determinou, na noite desta sexta-feira, a prisão do contraventor Rogério Andrade como mandante do assassinato do bicheiro Fernando de Miranda Iggnácio. Além dele, a magistrada manteve a prisão do homem apontado como braço direito de Andrade, o policial militar reformado Marcio Araújo de Souza. Iggnácio foi morto a tiros de fuzil, no dia 10 de novembro do ano passado, num heliporto no Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio. Ele era genro do bicheiro Castor de Andrade e sofreu uma emboscada quando chegava de helicóptero de Angra dos Reis. Segundo as investigações da Delegacia de Homicídios da Capital (DH), Andrade era sobrinho de Castor e ambos disputavam territórios da contravenção.

No início da noite de sexta-feira, o Ministério Público do Rio denunciou Andrade e Araújo como mandantes, assim como: o cabo Rodrigo Silva das Neves, Ygor Rodrigues Santos da Cruz, o ex-PM Pedro Emanuel D’Onofre Andrade da Silva Cordeiro e o policial militar de São Paulo Otto Samuel D’Onofre Andrade Silva Cordeiro como executores. Em janeiro, o cabo das Neves foi preso na Bahia. Cruz e os irmãos D’Onofre Andrade da Silva Cordeiro estão foragidos. A denúncia foi baseada no relatório do titular da DH, Moysés Santana, que apontou como motivação do crime a “disputa por pontos de exploração do jogo do bicho, videopôquer e máquinas caça-níquel”.

De acordo com as investigações, no dia do crime, enquanto um dos réus aguardava no veículo, outros três desembarcaram, por volta de 9h, e entraram em um terreno baldio que dá acesso à parte lateral do heliporto. Lá aguardaram a chegada da vítima que, vinha de Angra dos Reis. Iggnácio estava com a mulher, a filha de Castor de Andrade, que ficou no helicóptero. Como era de costume, Iggnácio desembarcou e foi buscar o carro, estacionado ao lado de uma churrasqueira no pátio do heliporto. Assim, ao tentar entrar no veículo, foi surpreendido pelos executores com disparos de fuzis FAL e AK-47, calibre 7.62. A víitima foi atingida por três disparos, sendo um deles na cabeça. Um dos atiradores se posicionou por cima do muro.

— Começamos a investigação fazendo as buscas pelo carro utilizado pelos executores. Daí, encontramos o veículo abandonado, próximo ao prédio onde os suspeitos estiveram. Fizemos quebras telemáticas e interceptações telefônicas, além de encontrarmos uma testemunha que apontou alguns dos denunciados que trabalhavam para Araújo. Por fim, este último já foi flagrado por câmeras de segurança de um hospital, na Barra da Tijuca, em 2017, fazendo parte da segurança de Rogério Andrade. Tudo isso consta no relatório produzido na apuração do caso — explicou o delegado Moysés Santana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: