Joe Biden aceita oficialmente a nomeação como candidato a presidente dos EUA pelo Partido Democrata

Joe Biden aceitou oficialmente nesta quinta-feira (20) a nomeação como candidato do Partido Democrata a presidente dos Estados Unidos.

Biden fez críticas duras ao governo do presidente Donald Trump, que disputará a reeleição pelo Partido Republicano. Sem mencionar diretamente o nome do opositor, o democrata disse que os EUA passam por uma “temporada de escuridão”.

“Muita raiva, muito medo, muita divisão. Aqui e agora, eu dou a vocês minha palavra: se confiarem em mim a Presidência, vou trazer o nosso melhor, não o pior”, afirmou.Joe Biden aceita oficialmente a nomeação como candidato a ...

“Ele [Trump] acorda todos os dias acreditando que seu trabalho que é feito todo para ele, nunca para você. É essa a América que você quer, para sua família, seus filhos?”, questionou Biden.
 
Joe Biden e sua mulher, Jill, acenam para o público do lado de fora do local onde o democrata aceitou nesta quinta (20) a candidatura a presidente dos EUA pelo Partido Democrata, em Milwaukee, Wisconsin — Foto:  Democratic National Convention/Pool via REUTERS

O candidato também prometeu trabalhar duro “para aqueles que não apoiaram” a candidatura democrata. “É esse o trabalho de um presidente, representar todos nós, não só a base ou um partido.”

Biden criticou a “falta de planos” de Trump no combate à pandemia do novo coronavírus e disse que o presidente falhou em sua “obrigação mais básica”: proteger os americanos da doença. Ele afirmou também que baixaria uma ordem nacional de uso de máscaras e mencionou indiretamente a perda do filho, Beau Biden, morto em 2015 por um tumor cerebral.

Esta é uma eleição que vai mudar vidas. Vai determinar como a América vai aparecer por um longo, longo tempo”, disse Biden.

“Caráter está em jogo. Compaixão está em jogo. Decência, ciência, democracia, tudo isso está em jogo.”

O democrata também criticou a condução da economia por Trump — um aceno ao eleitorado que buscou o republicano em 2016 pela promessa de mais empregos para o país. Com alta no desemprego por causa da pandemia, Biden disse que, se eleito, vai impulsionar novos postos em áreas de energia limpa.

Joe Biden e a mulher, Jill Biden, e Kamala Harris acompanhada do marido, Douglas Emhoff, assistem a queima de fogos em Milwaukee, Wisconsin, após término da Convenção Nacional Democrata nesta quinta-feira (20) — Foto: 2020 Democratic National Convention/Pool via REUTERS

Em um aceno à ala mais progressista do Partido Democrata, Biden elogiou jovens ativistas. “Eles estão falando contra a desigualdade e a injustiça que cresceram nos EUA”, disse.

“Injustiça econômica, injustiça racial, injustiça ambiental. Eu ouço suas vozes. Se você ouvir, pode escutá-las também”, acrescentou.

Nesse tema, Biden mencionou a conversa que teve com Gianna, filha do ex-segurança George Floyd, morto em ação policial em maio e que gerou uma série de protestos pelo país.

“Ela olhou em meus olhos e disse: ‘Papai mudou o mundo’. Suas palavras foram fundo em meu coração.”

Em outro aceno, agora aos eleitores mais nacionalistas dentro do próprio partido, Biden afirmou que “não faria vista grossa” a ações da Rússia e afirmou que asseguraria que os EUA melhorariam a capacidade de produção em uma situação como a pandemia “para não ficar à mercê da China ou de outros países”.

O pronunciamento marca o fim da Convenção Nacional Democrata, iniciada na segunda-feira e que confirmou a chapa encabeçada por Biden e que tem a senadora Kamala Harris como candidata a vice-presidente.

Televisões em cervejaria de Wisconsin mostram vídeos do candidato Joe Biden antes de discurso nesta quinta-feira (20) — Foto: Brian Snyder/Reuters

Antes do discurso, filhos do candidato apresentaram em vídeo a trajetória pessoal de Biden e a carreira do democrata como político.

Por causa da pandemia, o democrata falou diretamente à câmera em um centro de eventos quase vazio em sua cidade natal, Wilmington, no Estado do Delaware, e não diante de uma multidão vibrante de delegados do partido, somando para o clima incomum de uma convenção conduzia remotamente por transmissões de vídeo.

Do lado de fora, apoiadores assistiam de dentro de seus carros à transmissão da cerimônia em um telão montado no estacionamento.

Apoio de ex-concorrentes

Os ex pré-candidatos Cory Booker, Peter Buttgieg, Amy Klobuchar, Beto O'Rourke, Bernie Sanders, Elizabeth Warren e Andrew Yang participam da quarta e última noite da Convenção Nacional do Partido Democrata, na quinta-feira (20) — Foto: Reprodução/demconvention.com/

Ex-adversários de Biden na corrida do Partido Democrata voltaram a participar da Convenção para declarar apoio ao candidato escolhido pela agremiação.

Em um dos discursos mais aguardados, Pete Buttigieg, ex-prefeito da cidade de South Bend e que chegou a se candidatar à Casa Branca, relembrou a época em que serviu o Exército e destacou pautas defendidas por Biden e pelo Partido Democrata.

“Podem os EUA ser um país onde a fé fala de curar e não de exclusão? Podemos nos tornar um país que acredita que vidas negras importam? Vamos lidar questões sobre ciência e medicina buscando cientistas e médicos?”, questionou.

O empresário Andrew Yang, que também se candidatou, pediu a jovens apoiadores votos a Biden. “Se você votou em Trump ou mesmo não votou em ninguém em 2016, eu entendo. Mas devemos dar a este país, o nosso país, uma chance”, pediu.

O senador Cory Booker fala durante a quarta e última noite da Convenção Nacional do Partido Democrata, na quinta-feira (20) — Foto: Democratic National Convention via AP

Outro parlamentar e ex-pré-candidato a discursar, o senador Cory Booker criticou a política econômica de Trump: “Os trabalhadores estão sob ataque, a desigualdade aumenta, nossa classe média diminui e a pobreza persiste”, disse.

“Donald Trump diz que ‘nossa economia vai bem’, enquanto 40 milhões de americanos correm risco de perder suas casas”, acrescentou Booker.

Outros discursos

Governador da Califórnia, Gavin Newsom, fala em vídeo durante a transmissão da quarta noite da Convenção Nacional Democrata nesta quinta-feira (20) — Foto: Convenção Nacional Democrata/Pool/AP

O último dia da Convenção Nacional Democrata — virtual e sem multidões por causa da pandemia de novo coronavírus — teve o discurso do governador da Califórnia, Gavin Newson. O estado é um dos mais afetados pela Covid-19 nos EUA e também sofre com incêndios florestais.

“Se você está em negação sobre mudanças climáticas, venha à Califórnia. A Mãe Natureza se juntou a esta conversa”, disse.

Outros parlamentares discursaram no evento. O senador democrata Chris Coon mencionou a religiosidade de Biden, católico, a quem descreveu como “um ombro amigo” e um “parceiro de orações”.

As eleições presidenciais americanas estão marcadas para 3 de novembro. A partir desta segunda-feira (24), será a vez do Partido Republicano oficializar a candidatura de Donald Trump à reeleição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TV Prefeito