João Amoêdo deixa presidência do Partido Novo e Eduardo Ribeiro assume

João Amoedo, candidato do Partido Novo às eleições presidenciais — Foto: GloboNews/ReproduçãoJoão Amoêdo deixou nesta quinta-feira (5) a presidência e o Diretório Nacional do Partido Novo. Ele foi substituído por Eduardo Ribeiro, eleito por unanimidade pelos membros da sigla. A troca de comando foi divulgada nesta quinta pela legenda.

Em nota (leia a íntegra mais abaixo), o Novo afirma que Amoêdo permanecerá na Fundação Brasil Novo, como membro do Conselho Curador e como filiado.

“O NOVO agradece todo o inestimável esforço de João Amoêdo, que se dedicou por quase uma década para a construção do partido. O NOVO segue com o objetivo de se consolidar como uma instituição inovadora e diferenciada na política brasileira, crescendo com coerência, qualidade, sem atalhos, de forma sustentável, sem dinheiro do pagador de impostos e fiel aos seus princípios e valores”, diz a nota.
Segundo o partido, Eduardo Ribeiro integra o Diretório Nacional e ocupava o cargo de diretor executivo da Fundação Brasil Novo. Ele também já presidiu o Diretório Estadual de Santa Catarina.

Ainda de acordo com nota divulgada pela sigla, Ribeiro é catarinense, empresário, formado em Farmácia e Bioquímica pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e tem toda a sua atuação profissional voltada ao setor de saúde.

Ao deixar a presidência do partido, Amoêdo escreveu uma carta (leia mais abaixo) dizendo acreditar que “toda instituição, baseada em valores e ideias, como é o NOVO, precisa de renovação nos seus comandos, para seguir amadurecendo e crescendo”.

Na carta, Amoêdo relembra a trajetória de cerca de dez anos, desde a criação do Novo como uma plataforma política, passando pela oficialização da sigla como um partido político (há pouco mais de quatro anos), até os dias atuais.

“O trabalho, desde o início, se mostrou desafiador: a descrença da população com a política; a burocracia para a montagem de um partido; a associação e dependência de parte da nossa elite com status-quo e a falta de bons modelos foram alguns dos obstáculos enfrentados”, diz Amoêdo.

O agora ex-presidente afirma ainda que o Novo ainda é uma instituição jovem, “mas que já apresenta resultados relevantes e serve como exemplo de boas práticas na política”.

“Entretanto, somos e seremos continuamente testados e inúmeras vezes pressionados para utilizar atalhos e adotar procedimentos usuais da velha política”, afirma.

Em 2018, João Amoêdo foi o candidato do Novo à Presidência da República. Foi a primeira eleição proporcional disputada pela sigla.

Amoêdo ficou em 5º lugar no primeiro turno da disputa e obteve 2.679.744 votos (2,5%). O candidato do Novo ficou atrás de Jair Bolsonaro (PSL), Fernando Haddad (PT), Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB).

Na época, o quinto lugar na disputa foi comemorado por Amoêdo. Na primeira eleição proporcional da sigla, o Novo conseguiu eleger oito deputados federais, 11 deputados estaduais, 1 deputado distrital e o governador de Minas Gerais, Romeu Zema.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: