fbpx

Haiti é afetado por ciclone três dias após terremoto que deixou 1.419 mortos

Uma tempestade tropical despejou fortes chuvas nas regiões atingidas pelo terremoto de magnitude 7,2 no Haiti. Os fortes abalos atingiram o país no último sábado (14), mataram pelo menos 1.419 pessoas e feriram outras 6.900 até o momento – estes números devem aumentar à medida que os esforços de busca e resgate continuam.

A tempestade tropical Grace atravessou a costa sul de Hispaniola, a ilha que abrange o Haiti e a República Dominicana, na noite desta segunda-feira (16), trazendo consigo ventos e chuvas fortes, de acordo com o meteorologista da CNN Taylor Ward.

A previsão é de que a chuva diminua durante a manhã desta terça-feira e dure até a tarde nas partes mais a oeste da península meridional, acrescentou Ward.

Hospitais locais disseram que estão sobrecarregados de vítimas e precisam desesperadamente de suprimentos médicos.

O terremoto também destruiu e danificou dezenas de milhares de casas, de acordo com a agência de Proteção Civil. Os tremores bloquearam estradas e destruíram a infraestrutura, dificultando o acesso de suprimentos vitais às áreas afetadas.

Esforços estão em andamento para reparar as estradas entre a cidade de Les Cayes e a cidade de Jeremie – vias que foram obstruídas durante a noite devido a tremores secundários e deslizamentos de terra.

Falando enquanto a tempestade Grace se aproximava, Jerry Chandler, chefe da agência de Proteção Civil do Haiti, disse à CNN que “possíveis inundações na área afetada pelo terremoto” poderiam “ser uma complicação para uma situação já complicada”. 

Muitas pessoas estão dormindo ao ar livre desde o terremoto. Enquanto isso, a frustração está crescendo com a lenta distribuição de ajuda do governo haitiano.

“Nós realmente precisamos de ajuda, ontem eu estava ajudando no hospital e as coisas estavam fora de controle”, Marcelin Lorejoie, um voluntário haitiano, disse à CNN neste domingo.

“Não há médicos suficientes, nem medicamentos suficientes e temos pessoas com ferimentos graves. Precisamos de ajuda urgente antes que as coisas [fiquem] mais complicadas.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: