Governo teria indicado Crivella para assumir embaixada na África do Sul

O governo brasileiro estaria empenhado em fazer com que o ex-prefeito do Rio de Janeiro assumisse a embaixada do Brasil na África do Sul. Segundo o jornal Correio Braziliense, o Planalto enviou um documento às autoridades sul-africanas para que as partes cheguem a um acordo.

Ainda que Crivella seja a indicação brasileira, seu nome precisa ser aprovado pela África do Sul. Se a nomeação for confirmada pelo país africano e aprovada no Congresso brasileiro, Crivella será o 1º embaixador político do governo de Jair Bolsonaro.

Crivella já morou na África do Sul e é fluente em inglês. É autor do livro “Evangelizando a África”, publicado na década de 1990. Na obra, ele faz críticas a outras religiões, entre elas as africanas. O ex-prefeito já se desculpou publicamente pelas declarações feitas no livro.

A África do Sul tem importância estratégica para o Brasil. Os dois países integram –junto com Rússia, Índia e China – os BRICs.

CRISE ENTRE UNIVERSAL E GOVERNO

De acordo com fontes da diplomacia e da política ouvidas pela publicação, o cargo é uma maneira do governo mostrar apoio ao bispo Edir Macedo, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus e tio de Crivella.

O governo Bolsonaro viu crescer a ameaça de perder o apoio da Universal. Foram emitidos alertas de um possível desembarque a partir de pessoas próximas a Edir Macedo e de congressistas do Republicanos, partido ligado à instituição evangélica.

O bispo Renato Cardoso, responsável pela Universal no Brasil e genro de Edir Macedo, criticou diretamente o governo Bolsonaro em entrevista ao Jornal da Record de 14 de maio.

Cardoso falou em “decepção” e apontou “omissão” por parte do governo no caso envolvendo conflitos sobre a permanência de pastores da Igreja Universal em Angola.

O pivô do desgaste entre evangélicos da Universal e o governo foi a alegada inação das autoridades brasileiras à ordem de deportação de 34 brasileiros do país africano. A medida foi imposta depois que a instituição religiosa disse ter identificado comportamento impróprio de angolanos e afastado essas pessoas do comando da Igreja Universal do Reino de Deus naquele país africano.

Presente em Angola desde 1992, a Universal afirma que o conflito começou há mais de 1 ano. Não há detalhes sobre a razão exata da expulsão dos agora ex-pastores angolanos, que reagiram e formaram uma dissidência dentro da instituição –visando a forçar a saída dos brasileiros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: