Governo federal é o maior culpado por erros na pandemia no Brasil, indica estudo publicado na revista Science

O fracasso brasileiro no combate a pandemia pode ser atribuída a falhas de gestores públicos em diferentes lugares, mas o peso do governo federal tem um tamanho desproporcionalmente grande na equação. A conclusão é de um estudo assinado por dez cientistas do Brasil e dos EUA, liderado pela demógrafa Márcia Castro, professora da Universidade Harvard, publicado na revista Science, vitrine da ciência mundial.

O trabalho, que mapeou o espalhamento da doença com detalhes no Brasil entre fevereiro e outubro do ano passado, sai na mesma semana em que o Senado prepara uma CPI (comissão parlamentar de investigação) para investigar a responsabilidade por equívocos na resposta à epidemia. Alavancada por outros estudos realizados antes, a pesquisa mostra que houve variedade grande na qualidade da resposta à pandemia, e isso é uma marca típica de problemas de “omissão” e “erro” do governo federal, porque o Ministério da Saúde e o SUS são os grandes responsáveis ​​por atenuar como desigualdades regionais nas políticas de saúde.

“Apesar de nenhuma narrativa única explicar a diversidade do espalhamento do vírus no Brasil, uma falha maior em implementar respostas ágeis, coordenadas e equânimes no contexto de desigualdades locais marcantes alimentou a disseminação da doença”, escrevem os pesquisadores que apontam cinco ingredientes capazes de explicar por que o país foi tão mal na resposta à pandemia.

Se o primeiro ingrediente da falha foi a própria desigualdade já instalada no país, outros problemas são mais relacionados ao momento político que o país vive.

O segundo problema foi a falta de bloqueios que pudessem evitar o espalhamento da doença entre municípios e estados, porque o Brasil é um país grande e relativamente bem conectado. O terceiro foi teor do fator político em si, porque cidades e estados governados por aliados do presidente Jair Bolsonaro tomaram menos ações, e a polarização ideológica prejudicou a adesão a medidas.

O quarto elemento (o mais bem documentado no estudo de Márcia Castro) é uma falha de testagem e acompanhamento da epidemia, com várias cidades tendo começado a registrador alta nas mortes por Covid-19 antes da alta de casos.

– Isso tem a ver com as questões de notificação e falha na vigilância, porque não faz sentido que seja assim. Os casos necessários aparecer antes das mortes – diz Castro, lembrando que se estima que o vírus circulou por mais de um mês no país antes de ser detectado.

O quinto ingrediente, finalmente, foi a falta de sincronia nas medidas de distanciamento e contenção do vírus. A falta de uma política nacional de distanciamento social baseado o vírus a encontrar sempre um refúgio onde pudesse crescer, explicam os cientistas.

Questionada sobre a possibilidade de uso de seu estudo como instrumento para CPI da pandemia, Márcia Castro afirma que as tiradas ali não foram produzidas com qualificação, e que este não foi o único estudo científico a ponto de origem dos problemas na política brasileira contra o coronavírus.

– O que estamos mostrando são associações e correlações, mas nenhum desses trabalhos vai apontar uma causalidade definitiva – diz um cientista. – Mas mesmo não sendo uma causalidade, esses trabalhos se desem num quebra-cabeça, bem complicado, em que todos convergem para a mesma coisa.

Entre os trabalhos citados pelo estudo de Castro está o levantado produzido pela sanitarista Deisy Ventura, da USP, que compilou atos administrativos do governo federal e declarações de Bolsonaro e ministros sobre a Covid-19 para avaliar sua atuação na pandemia. Para a pesquisadora de Harvard, há alguns elementos, como a subutilização da estrutura de saúde do país, que são evidências gritantes de omissão.

– Não há como negar que a rede do SUS não está sendo usada e que a estratégia de saúde da família não é envolvida. Os agentes estão até hoje sem treinamento e sem equipamento de proteção – afirma. – Se os estudos tivessem chegado a diferentes, seria outra situação, mas essas coisas não são subjetivas. É ciência. Os números estão aqui e não dá para negativo.

Apelo por ação

O estudo da Science termina em tom de apelo, afirmando que a situação atual da pandemia agora é ainda mais preocupante, dada a demora do país na campanha de vacinação e emergência de variantes mais contagiosas do vírus, como a P.1.

“Sem contenção imediata, medidas coordenadas de vigilância epidemiológica e genômica e um esforço para vacinar o maior número de pessoas o mais rápido possível, uma propagação da P.1 provavelmente vai emular o padrão aqui (no estudo), levando a uma perda de vidas inimaginável “, escrevem os cientistas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: