Governo de SP diz que Estado pode ficar sem kit intubação em 24 horas

O governo de São Paulo enviou ofício ao Ministério da Saúde, na 3ª feira (13.abr.2021), pedindo o envio de medicamentos do chamado kit intubação em 24 horas para repor estoques e evitar o desabastecimento de remédios essenciais para o tratamento dos pacientes de covid-19 em situação grave.

O secretário Estadual de Saúde, Jean Gorinchteyn, em ofício enviado ao governo federal, escreveu: “A situação de abastecimento de medicamentos, principalmente daqueles que compõem as classes terapêuticas de bloqueadores neuromusculares e sedativos está gravíssima, isto é, na iminência do colapso, considerando os dados de estoque e consumo atualizado pelos hospitais nesses últimos dias”.

Segundo ele, “a partir dos próximos dias” faltará medicamentos, caso nada seja feito no Estado.

O kit intubação tem bloqueadores neuromusculares e fármacos para sedação contínua dos pacientes que permanecem intubados –necessários pois sem eles, os pacientes não suportariam as dores do procedimento e o uso dos aparelhos.

Gorinchteyn afirma no documento que vem reiterando o pedido ao Ministério da Saúde há mais de 40 dias para recompor os estoques em São Paulo. Diz que já foram enviados 9 ofícios, que enumera no documento, mas todos “sem retorno”.

“Tais fatos motivam nossa insistência em solicitar providências imediatas”, afirma o secretário.

Desde março, o Ministério da Saúde passou a fazer requisições administrativas que obrigam as fábricas a destinar o excedente de produção para a pasta, que depois redistribui os medicamentos por meio do SUS.

O secretário afirma que todos os dias envia informações sobre estoques ao MS, mas não tem sido atendido.

“O Ministério da Saúde manteve o Estado de São Paulo durante 6 (seis) meses sem fornecimento de qualquer quantidade de medicamentos provenientes das requisições administrativas realizadas”, segue. [O ministério] furta-se a esclarecer qual critério adotado para definir a distribuição dos milhões de unidades farmacêuticas requisitadas, face ao quantitativo ínfimo enviado ao Estado de São Paulo”.​

O documento também diz que a secretaria tem feito esforços para adquirir diretamente os medicamentos que compõem o kit intubação. Mas não consegue assegurar o abastecimento por causa da baixa capacidade produtiva e comercial dos fabricantes e distribuidores desses medicamentos.

Os produtores não estão conseguindo atender à demanda por causa do aumento de casos graves de covid-19 em todo o Brasil.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou na 3ª feira (13.abr) que o Estado vai fazer uma compra emergencial, no exterior, dos kits de intubação. Reiterou a cobrança pelo envio de insumos pelo Ministério da Saúde.

“O governo de São Paulo protesta veementemente contra o confisco determinado pelo Ministério da Saúde, ainda na gestão do ministro anterior [Eduardo Pazzuello], que confiscou todos os medicamentos de intubação produzidos no Brasil”, disse o governador.

“Nenhum fabricante do país pode vender ao setor público ou privado os medicamentos para intubação. O que é um absurdo numa circunstância como essa, dado o fato que, até então, eram os governos estaduais e os hospitais privados que faziam essas compras”, completou.

O governador afirmou ter determinado a compra emergencial de medicamentos para intubação “para garantir um período de 30 a 40 dias desses materiais para os hospitais municipais, estaduais e filantrópicos” do Estado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: