Flordelis chora e se diz inocente no Conselho de Ética da Câmara

A deputada Flordelis (PSD-RJ) se disse inocente e chorou, nesta quarta-feira (16), ao fazer a própria defesa em uma reunião do Conselho de Ética da Câmara. A parlamentar negou as acusações de que tenha mandado matar o marido, o pastor Anderson do Carmo.

Flordelis responde pela acusação criminal na Justiça do Rio de Janeiro e, no Conselho de Ética, é alvo de uma representação por quebra de decoro que pode levar à cassação do mandato.

“Eu sou inocente. eu não mandei matar meu marido. Eu não participei de nenhum ato de conspiração”, afirmou Flordelis, que disse estar sofrendo uma “perseguição pública implacável”.

A deputada declarou que a vida dela e da família “se transformou em um caos” nos últimos quase dois anos. “O que está acontecendo é o assassinato da minha reputação do meu nome”, disse.

Anderson foi morto a tiros na garagem de casa em Niterói, na Região Metropolitana do Rio, em 2019. Flordelis é ré por cinco crimes relacionados ao caso, incluindo homicídio triplamente qualificado e associação criminosa. A parlamentar nega todas essas acusações.

Desde outubro de 2020, Flordelis tem sido monitorada por tornozeleira eletrônica. Por ser deputada, ela goza de imunidade parlamentar e só poderia ser presa em flagrante.

Em janeiro deste ano, uma das filhas da deputada confessou ter pagado R$ 5 mil para matarem o pastor. Simoni dos Santos Rodrigues disse que a quantia foi entregue à sua irmã Marzy Teixeira. A motivação do crime seriam as constantes investidas sexuais do pastor.

Ao Conselho de Ética, Flordelis disse que não sabia de nada. “Eu não sabia o que estava acontecendo dentro da minha casa. Eu não sabia que meu marido estava assediando a minha filha”, afirmou.

A deputada relatou ainda que não tinha tido coragem de ouvir a confissão da filha. “Depois que a minha filha confessou eu ainda não tive coragem de ouvir a confissão toda da minha filha, mas eu fiquei sabendo. (…) Não era esse o caminho que ela tinha que tomar. Eu sou a favor da vida”, disse.

Afastamento do mandato

A reunião desta terça foi convocada para que o relator do processo por quebra de decoro, deputado Alexandre Leite (DEM-SP), apresente um plano de trabalho para a análise do caso. Esse planejamento inclui o cronograma das testemunhas que serão ouvidas pelo conselho.

Flordelis fez ainda um apelo aos colegas deputados: “Quero pedir que não cometam nenhuma injustiça comigo”.

Em 23 de fevereiro, o Tribunal de Justiça do Rio determinou que Flordelis fosse afastada do mandato até que as acusações criminais fossem julgadas. A Câmara, no entanto, ainda não se pronunciou sobre essa decisão e nem submeteu o tema à confirmação em plenário, que teria a palavra final para confirmar o afastamento ou rejeitá-lo.

Com isso, até o momento, Flordelis continua no exercício do mandato e pode participar normalmente das votações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: