Flávio Bolsonaro: acusações de corrupção não mexem na relação com Centrão

O senador Flávio Bolsonaro (Patriotas-RJ) afirmou ao Globo que as acusações de corrupção na compra da Covaxin e AstraZeneca são tentativas de “colocar contra o governo aliados que são importantes para o país”. A entrevista foi publicada nesta 6ª feira (2.jul.2021).

Dois dos suspeitos principais de irregularidades, o líder do Governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR) e Roberto Dias, ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde, são ligados ao Centrão. Questionado se o governo reavaliará a relação com o bloco depois das acusações, Flávio disse que não: “Os partidos que são adjetivados de centrão são fundamentais sempre para o país”.

Durante sua campanha eleitoral, o agora presidente Jair Bolsonaro criticava a “velha política”, alianças partidárias de lados que não partilham a mesma linha ideológica. Mas Bolsonaro buscou apoio dos partidos de Centrão depois de eleito. Em meados de 2020, o grupo já controlava mais de R$ 110 bilhões dos recursos do governo.

Flávio Bolsonaro declarou que o Centrão não prejudica o governo e que não há provas das acusações contra Barros e Dias.

O líder do governo, de acordo com o deputado Luís Miranda, teria sido indicado pelo próprio presidente Bolsonaro em envolvimento das supostas irregularidades na compra da Covaxin. Barros nega qualquer participação.

“O próprio presidente nunca confirmou que tenha falado o nome de Ricardo Barros, né? Por enquanto, só o deputado Luís Miranda diz que o presidente falou isso”, argumentou o senador. “É uma tentativa de construir uma narrativa, não há fatos concretos”, acrescentou.

Já Roberto Dias foi demitido do Ministério da Saúde menos de 24h de ter sido acusado de cobrar US$ 400 milhões de propina em uma aquisição de doses da AstraZeneca que nunca se concretizou. Flávio disse que foi uma medida preventiva “para depois não acusarem o ministério de adulterar algo por interesse próprio” .

As acusações contra Dias partiram de Luiz Paulo Dominguetti, que depôs na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) na última 5ª feira (1º.jul). Flávio Bolsonaro classificou a participação do PM como “um devaneio”: “Todo mundo esperando que tenha alguma prova de que havia algum pedido de propina e, no final, não trouxe prova nenhuma”.

Questionado se a suspensão do contrato de compra da Covaxin não foi uma admissão de irregularidades, o senador também disse que foi uma estratégia de defesa para “ver o que vai aparecer”.  Ele se disse contra a suspensão. “A não ser que a Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] tenha algo contra e não autorize a importação da vacina”, acrescentou.

Flávio também negou que seu pai tenha prevaricado (faltado com os deveres com o serviço público) em relação às denúnicias apresentadas por Miranda em março: “O presidente informou ao ministro da Saúde [Eduardo Pazuello, na época] o que tinha sido relatado”. O ministro, por sua vez, não teria encontrado nenhuma irregularidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: