Fiocruz: internação de idosos pode subir com relaxamento após primeira dose

Pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) alertaram para o risco de um aumento de internações de idosos que já receberam a primeira dose da vacina contra a Covid-19 e que aumentaram seus níveis de exposição ao vírus após a imunização.

De acordo com os pesquisadores, há uma tendência de relaxamento em relação às medidas de distanciamento social após a aplicação do imunizante, o que pode agravar não só o número de internações como de contaminação a outras pessoas. 

Pesquisador do Programa de Computação Científica da Fundação Oswaldo Cruz (Procc/Fiocruz), Léo Bastos relatou preocupação com o relaxamento.

“Se idosos vacinados aumentarem seus níveis de exposição, mesmo vacinados, as chances deles se internarem podem ser maiores que antes de se vacinarem. Nesse momento as vacinas reduzem as chances de internação e óbitos se os níveis de exposição não mudarem”, disse. 

A recomendação atual dos organismos de saúde é para que todos os vacinados mantenham as medidas de isolamento o máximo possível.

Somente 21 dias após a aplicação da segunda dose da vacina é que as pessoas podem ficar mais tranquilas com relação ao contágio do vírus. Mas, até que a vacinação alcance a maior parte da população nacional, ainda há riscos, porque não há vacina com 100% de eficácia.

Também pesquisador da Fiocruz e responsável pelo Boletim Infogripe, Marcelo Gomes faz uma alerta para a possibilidade de se perder “parte da proteção” dada pelo imunizante ao relaxar os cuidados.

“Se logo após tomarem a primeira dose, ou até mesmo tiverem recém tomado a segunda, as pessoas relaxarem completamente os cuidados fundamentais, elas podem fazer com que essa mudança de comportamento acabe jogando fora parte da proteção que a vacina confere por estarem se expondo mais”, alertou. 

A morte do cantor Agnaldo Timóteo, no último sábado (3), pode ser um exemplo disso. Ele havia sido vacinado com as duas doses, o que não o impediu de contrair a doença. Médicos acreditam que ele tenha sido contaminado no período entre as duas imunizações.

Outros casos parecidos já foram relatados e, por isso, especialistas apontam para a importância de se manter o menor nível de exposição possível até que se completem os 21 dias após a segunda dose do imunizante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: