Fiocruz aponta aumento nas taxas de transmissão e letalidade do coronavírus

O novo boletim do Observatório Covid-19 da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) indicou que, ao longo da última semana epidemiológica (de 29 de março a 3 de abril), houve uma aceleração na transmissão da covid-19 e aumento da taxa de letalidade, que está em 4,2%.

Ao final de 2020, esse indicador ficou em torno de 2%.

“Devido ao acúmulo de casos, diversos deles graves, advindos da exposição ao vírus ainda no mês de março, o vírus permanece em circulação intensa em todo o país”, dizem os pesquisadores.

Segundo o estudo, o aumento da da taxa de letalidade pode ser, em parte, consequência da falta de diagnóstico correto de casos graves.

“Pode ser consequência da falta de capacidade de se diagnosticar correta e oportunamente os casos graves, somado à sobrecarga dos hospitais, num processo que vem sendo apontado como o colapso do sistema de saúde, não somente de hospitais.

Atualmente, 19 Estados e o Distrito Federal têm taxas de ocupação de leitos de UTI para adultos superiores a 90%.

A Fiocruz defende a adoção de medidas restritivas urgentes ou a continuação das que já estão em vigor para conter a propagação do coronavírus.

As restrições deveriam incluir todas as atividades não essenciais em todos os Estados, capitais e regiões de saúde que tenham uma taxa de ocupação de leitos acima de 85%, segundo a fundação.

Entre as medidas sugeridas estão a proibição a eventos, como shows, congressos, atividades religiosas e esportivas, implementação de toque de recolher nacional a partir das 20h até as 6h da manhã (incluindo os finais de semana), fechamento das praias e bares, adoção de trabalho remoto e fechamento dos aeroportos e do transporte interestadual.

A análise aponta ainda ser preciso manter as medidas por ao menos 14 dias. E que as ações sejam estendidas de acordo com a situação de cada local.

Também, para baixar as taxas, seria preciso fortalecer as rede de serviços de saúde: ampliar a testagem, acompanhar pessoas que já foram testadas, isolando os pacientes de caso suspeito e monitorando os contatos, aumentar a compra de vacinas e acelerar a campanha de imunização.

A Fiocruz ressalta que, para alcançar o objetivo, é fundamental a convergência dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, assim como dos diferentes níveis de governo (municipais, estaduais e federal).

Coerência e convergência são fundamentais neste momento de crise para que as medidas de bloqueio sejam efetivamente adotadas de forma a sair do estado de colapso de saúde e progredir para uma etapa de medidas de mitigação da pandemia, diminuindo o número de mortes, casos e taxas de transmissão e efetivamente salvando vidas”, dizem os pesquisadores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: