Exigências do Flamengo assustam, árabes silenciam e avaliam nova cartada por Everton Ribeiro e Michael

O Flamengo experimentou durante a quinta-feira uma posição cada vez mais comum: de quem dita as regras no mercado.

Diante do assédio, estipulou valores, fez exigências e esperou a resposta dos interessados em Everton Ribeiro e Michael. Al Nasr e Al Ain, ambos dos Emirados Árabes, não se movimentaram, e a vitória sobre o Grêmio diminui ainda mais a vontade rubro-negra de negociar. O silêncio, porém, não significa desistência dos árabes.

Everton Ribeiro voltou a jogar bem e fez gol pelo Flamengo — Foto: Alexandre Vidal / CRF

O limite imposto para o fim da quinta-feira se deu pelos trâmites normais para que uma transação fosse concluída. Em caso de acerto, os jogadores teriam tempo para realizar exames de Covid-19, embarcar para Dubai, finalizar os testes e assinar contrato. No cenário atual, Al Nasr e Al Ain deixam o interesse na gaveta, mas com estratégia definida para o caso de avanços até domingo, dia 31 de janeiro.

A janela de transferências fecha segunda-feira, dia 1º de fevereiro, e a logística a partir de agora inclui a realização de exames médicos no Brasil, assinaturas digitais dos documentos e força-tarefa para regularização. A possibilidade de uma nova cartada, por sua vez, é avaliada com cuidado por árabes que ficaram incomodados e surpresos com a firmeza do Flamengo.

Os clubes entendem que já cederam o suficiente para convencer os cariocas. O Al Ain aceitou trocar a moeda e aumentou de US$ 1 milhão para € 1.25 milhão a oferta pelo empréstimo de Michael por seis meses. Do outro lado, o Flamengo não aceita nem o valor, nem a condição final.

Após investimento de € 7.5 milhões há um ano, o clube busca uma negociação para reaver o montante. Por isso, a condição imposta é: € 1.5 milhão pelo empréstimo e cláusulas que obriguem o Al Ain a comprá-lo no meio do ano. O preço estipulado é de € 12 milhões.

Com Everton Ribeiro, o planejamento é diferente, mas o vai e vem das conversas se repete. O Al Nasr fez duas propostas pelo meia: uma em agosto de 2020, prontamente recusada; e outra em janeiro deste ano. Nesta segunda, o Flamengo respondeu estipulando valor: € 6 milhões pela venda e € 2 milhões em bônus por conquistas da equipe.

Al Ain avalia nova cartada por Michael — Foto: Marcelo Cortes/Flamengo

Os árabes demoraram mais de duas semanas para dizer “sim” e tudo mudou. Sem tanta urgência de caixa após as vendas de Lincoln e Yuri César, o Rubro-Negro rebateu na manhã de quarta-feira que a realidade era outra: € 7 milhões pela venda e € 3 milhões em bonificação. Desde então, silêncio.

Se com Michael o desejo é recuperar o investimento, com Ribeiro a avaliação ainda passa muito pelo retorno técnico. O conflito entre o fechamento da janela e o fim da temporada explica a rigidez do clube, por mais que o camisa 7 tenha dado o ok e acertado todas as condições para voltar a Dubai, onde defendeu o Al Ahli.

A vitória sobre o Grêmio, com direito a gol e boa atuação do meia, coloca o Flamengo definitivamente na briga direta com o Inter pelo título. A cartada final dos árabes de que as últimas seis rodadas do Brasileirão já servissem para planejar 2021 caiu por terra, e a diretoria repete que não vai flexibilizar para perder peças do elenco.

A reação na tabela interfere não somente nas conversas por Ribeiro e Michael, mas também no desejo do Besiktas de contar com Léo Pereira. Na base do “tudo ou nada”, as fichas estão depositadas na busca pelo troféu. Mesmo que isso custe alguns milhões de dólares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: