Ex-coordenadora do PNI diz que deixou cargo por “politização das vacinas”

A ex-coordenadora geral do PNI (Programa Nacional de Imunizações) no Ministério da Saúde Francieli Fantinato afirmou à CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado que, enquanto esteve à frente do cargo, não teve “nem vacinas nem uma campanha publicitária” para promover a imunização contra o coronavírus. Ela disse ter deixado o posto pelo que chamou de “politização das questões da vacina“.

Fantinato chegou a iniciar uma resposta em que atribuía posicionamentos do “líder da nação” a dúvidas da população sobre a importância da vacinação, mas foi interrompida. Quando o relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), insistiu em perguntar se a referência era ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), ela declarou que um programa de imunização demanda “comunicação única de qualquer cidadão, de qualquer escalão“.

“Não tenho elementos para atribuir [dificuldades na imunização] à alta gestão do governo, mas pensando numa campanha de vacinação, precisava para o PNI funcionar de doses suficientes e campanha publicitária. Mas não tenho elementos porque não tive interferência direta”, disse.

A defesa de Fantinato obteve um habeas corpus no STF (Supremo Tribunal Federal) que permite à servidora, na condição de investigada, ficar em silêncio diante de perguntas que possam levá-la a eventualmente se autoincriminar. Seus sigilos fiscal, bancário, telefônico e de mensagens foram quebrados pela CPI.

O vice-presidente da comissão, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), declarou a jornalistas antes da sessão ser iniciada que tinha a convicção de que o depoimento da ex-coordenadora do PNI seria o “melhor” até agora. Também disse que Fantinato não evocaria o direito de permanecer em silêncio diante dos questionamentos.

Em 1º de julho, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, assinou a exoneração de Fantinato da coordenação do PNI. A portaria publicada no DOU (Diário Oficial da União) informa que a dispensa se deu “a pedido” da servidora.

A convocação de Fantinato foi aprovada em requerimento de autoria do senador Otto Alencar (PSD-BA). O pedido tinha, originalmente, o objetivo de promover uma acareação entre a ex-coordenadora do PNI e a infectologista Luana Araújo. No ofício que convocou a servidora, contudo, o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), esclareceu que o oitiva seria individual.

O tema previsto na convocação é uma nota técnica que Fantinato teria emitido aos estados recomendando que a vacinação de grávidas que haviam recebido a 1ª dose da vacina da AstraZeneca contra a covid-19 fosse completada com uma nova dose de qualquer outro imunizante.

Segundo Otto Alencar, não haveria “nenhuma comprovação de segurança ou eficiência” da chamada “intercambialidade” de vacinas em gestantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: