Enfrentamento às drogas é guerra e militares devem participar, diz senador

O senador Omar Aziz (PSD-AM) assumiu em março deste ano a presidência da Comissão de Segurança Pública do Senado. Terá pela frente o desafio de lidar com os decretos de Jair Bolsonaro que flexibilizaram a compra de armamentos no país. Na Casa, tramitam projetos que anulam a iniciativa do Executivo.

Essa questão, porém, é tratada por ele como secundária. A prioridade, defende, é colocar os militares para lidar com o que classifica como “guerra” contra o tráfico de drogas.

Quem pode proteger nossas fronteiras com gente, tecnologia? As Forças Armadas. O Brasil está sendo invadido por armas e drogas que vão para as cidades e são distribuídas como se fosse uma guerra. E quando a gente entra em guerra, quem tem que proteger a gente são as Forças Armadas“, afirmou em entrevista ao Poder360.

Atualmente, por mais que haja cooperação em algumas operações, esse combate não é função primordial dos militares. Grande parte do trabalho é desempenhado pela Polícia Federal e pelas polícias estaduais (Militar e Civil). Para Aziz, é um erro.

Não tem Polícia Militar de estado nenhum que vai cuidar dessas fronteiras. A Polícia Federal tem 8 ou 9 pessoas no Alto Solimões (no Amazonas). Não tem condições, é muito pouca gente“, diz. “No Alto Solimões, por exemplo, tem 3 mil homens do Exército, mas nenhum se movimenta para impedir que entre droga no Brasil“, afirma.

Aziz cobrou iniciativas do ministro Walter Braga Netto, que recentemente assumiu o Ministério da Defesa. “Braga Netto fez parte da intervenção no Rio. Ele sabe do que estou falando“, completa.

Para ele, o aumento no orçamento dos militares, garantido na peça orçamentária aprovada no Congresso, é justificativa moral para essa ampliação na atuação.

CPI DA PANDEMIA

O senador, que foi indicado como um dos membros da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que irá apurar iniciativas durante a pandemia do novo coronavírus, disse que um dos focos de apuração do grupo será o gasto com produção e distribuição de cloroquina no Brasil como forma de combater a pandemia. Ele é crítico do que chama de “negacionismo” de Jair Bolsonaro.

Nós menosprezamos a ciência no ano passado. Não sei quanto foi gasto para produzir cloroquina. A CPI também vai investigar isso, que é o papel dela“, prega.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: