Empresas só participarão de leilão junto com a Petrobras, diz ministro

O ministro Bento Albuquerque (Minas e Energia) disse nesta 2ª feira (3.mai.2021) que as empresas interessadas em explorar os campos de Sépia e Atapu, campos do pré-sal da Bacia de Santos, só participarão do leilão das áreas em parceria com a Petrobras.

“Eu acredito que nenhuma empresa vai entrar nesse leilão sem ter participação da Petrobras porque a Petrobras já está produzindo nesses campos. E ela é considerada a empresa de petróleo mais qualificada para fazer produção em água profundas e ultra profundas que é o caso dessa área de Sépia e Atapu”, afirmou em entrevista à CNN.

A expectativa do governo é que haja arrecadação de R$ 12 bilhões em bônus de assinatura. São previstos R$ 200 bilhões em investimentos nos campos e arrecadação de R$ 400 bilhões em royalties e participações especiais.

O valor previsto para o bônus de assinatura teve redução de 70%. Segundo o ministro, por conta das expectativas de preço para o barril de petróleo no futuro, “a tendência é cair”, disse.

Os 2 campos foram ofertados à iniciativa privada em 2019, no entanto, não receberam oferta. Albuquerque afirma, porém, que desta vez o certame –marcado para dezembro– será um sucesso.

“Sépia e Atapu são 2 campos que já estão em produção, ou seja, tem uma atratividade muito grande. A qualidade do petróleo é grande. Nós eliminamos algumas incertezas porque a Petrobras já está produzindo nesses campos”, declarou.

A realização do leilão do chamado “excedente da cessão onerosa” encerra um impasse de 11 anos. Em 2010, Petrobras e governo federal assinaram o contrato da cessão onerosa. O acordo permitiu que a estatal explorasse 5 bilhões de barris de petróleo em 6 blocos na Bacia de Santos no pré-sal sem licitação. Mas os volumes de óleo e gás encontrados na região são muito maiores que o previsto naquele acordo.

Naquele ano, a Petrobras pagou R$ 74,8 bilhões pelos barris de óleo. No entanto, pela forte desvalorização do produto no mercado internacional no período, houve 1 entendimento de que a União precisaria devolver recursos para a estatal.

Em 2019, um acordo permitiu a realização do leilão do volume excedente. A revisão contratual rendeu R$ 34,4 bilhões à Petrobras. Estados e municípios também receberam recursos da operação. Faltaram, no entanto, os 2 campos que não receberam ofertas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: