fbpx

Empresas anunciam investimentos para ajudar indústria naval fluminense

O Estado do Rio de Janeiro deverá receber uma importante parcela dos investimentos programados pela Shell e Equinor para o Brasil, ajudando a movimentar a indústria naval fluminense. Representantes de dois dos principais players do setor de óleo e gás anunciaram novos investimentos, durante reunião virtual da Comissão Especial de Indústria Naval, Offshore e de Petróleo e Gás da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), nesta segunda-feira (13/09). Executivos e parlamentares discutiram também como o Poder Público pode ajudar a impulsionar a indústria marítima.

O gerente de relações governamentais da Shell, Thomas Lucena, afirmou que a empresa desenvolveu 160 projetos de pesquisa e inovação no Brasil, e que 82 deles foram realizados no Rio de Janeiro. Além disso, Lucena disse que a empresa deve investir mais R$ 1,6 bilhão no Brasil nos próximos cinco anos. “Metade dos projetos realizados pela Shell tem como executor primário uma instituição localizada no Estado do Rio, são 42 desenvolvidos com universidades e outros 40 com instituições de pesquisas ou nossos fornecedores. A UFRJ é uma grande parceira nossa. De 2016 a 2020, tivemos 29 iniciativas com eles, que somam R$ 360 milhões em investimento. São 16 laboratórios e 360 profissionais envolvidos”, ressaltou.

Já o diretor de contratos e suprimentos da Equinor, Rafael Amaral, disse que a empresa – presente há 20 anos no Brasil – já investiu U$ 11 bilhões e vai disponibilizar mais U$ 15 bilhões até 2030. “Pretendemos destinar esse investimento para o desenvolvimento de projetos, operação e manutenção e recursos renováveis. No meio desse orçamento, há a contratação de prestadores e fornecedores do Rio de Janeiro, que vão contribuir para a geração de emprego e renda no estado”, comentou.

Comissão passará a ser permanente

Durante a reunião, o economista Mauro Osório, diretor-presidente da Assessoria Fiscal da Alerj, antecipou que está em fase de conclusão uma segunda nota técnica a ser emitida sobre o setor. A Comissão Especial de Indústria Naval, Offshore e de Petróleo e Gás pode vir a integrar as Comissões Permanentes da Casa, o que animou seus integrantes.

“É preciso reforçar a escuta sobre a indústria naval offshore para compreender de que forma as esferas estadual e federal podem contribuir para a melhoria desse cenário econômico. Dessa forma, as empresas que operam no Brasil poderão contribuir também com a economia do nosso estado”, disse presidente da Comissão, deputada Célia Jordão (Patriota).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: