fbpx

Em mais um jogo com cara de decisão, Vasco reencontra a arquibancada, Cabo e Bastos

Rodada após rodada os jogos do Vasco ganham ares de decisão. Com a necessidade de vencer para se aproximar do pelotão da frente e ainda sonhar com o acesso, toda partida é decisiva para o time de Fernando Diniz, a 12 rodadas do fim da Série B.

Nesta segunda, contra o Goiás, além do clima de decisão, será uma noite de reencontros dentro e fora de campo. Com a presença de público pela primeira vez nas arquibancadas de São Januário após mais de um ano e meio – contra o Cruzeiro pouco mais de 300 torcedores acompanharam ao jogo das sociais -, o time recebe o Esmeraldino, às 20h, na abertura da 27ª rodada da Série B.

A expectativa é de um público razoável em São Januário, mas suficiente para incendiar o Caldeirão depois de um longo tempo sem torcedores. 7.700 ingressos foram colocados à venda. Até domingo, cerca de 3.300 foram retirados. Os bilhetes para arquibancada custam R$ 20, e para a social do estádio, R$ 120. Sócios-torcedores, de acordo com o plano, terão acesso a ingressos a partir de R$ 6. O time vem de vitória sobre o Brusque, o que aumentou a confiança do torcedor em um bom resultado.

Último jogo com torcida nas arquibancadas de São Januário foi justamente contra o Goiás, em março do ano passado, pela Copa do Brasil — Foto: André Durão

E o Vasco conta com a torcida para tentar arrancar e brigar pelo acesso. Após uma sequência muito ruim, o time vem embalado pela vitória sobre o Brusque e conta com uma vitória nesta noite para se aproximar do Goiás, concorrente direito por uma vaga no G-4. Hoje, com 37 pontos, o time carioca está em 8º, a oito pontos do time goiano e a sete do CRB, o quarto colocado.

Cabo reencontra o Vasco após dois meses

Dentro de campo, também será uma noite de reencontros. Curiosamente, será o primeiro contato de Marcelo Cabo com o torcedor vascaíno em 2021. Ele assumiu o Vasco em março, logo após o rebaixamento à Série B do Brasileiro, e dirigiu a equipe em 29 jogos, com 13 vitórias, 10 empates e seis derrotas. Foi demitido na 12ª rodada, após empatar em casa com o Náutico, há pouco mais de dois meses, mas ainda tem uma ligação muito forte com o elenco.

Marcelo Cabo reencontra o Vasco pouco mais de dois meses após sua demissão — Foto: Ailton Cruz/Gazeta de Alagoas

Ao lado do diretor Alexandre Pássaro, Marcelo Cabo foi o responsável pela formação do atual Vasco. Ele indicou jogadores e aprovou dispensas e contratações. Seu início foi promissor. Apesar da campanha ruim no Carioca, o time teve algumas boas atuações sob seu comando. A melhor delas, certamente, na vitória por 3 a 1 sobre o Flamengo, que encerrou uma série de 17 jogos sem vitórias sobre o rival.

– Lamento por não ter tido um contato mais próximo dos torcedores que, por conta da pandemia, não puderam estar nos jogos. Desejo a melhor sorte ao clube na busca pelos objetivos – disse Cabo em sua despedida.

Pouco mais de 24 horas após ser demitido pelo Vasco, Cabo assumiu o Goiás e vem fazendo um bom trabalho. Hoje o time é o segundo colocado na Série B, mas vem de derrotas para Avaí e Vila Nova.

Bastos retorna a São Januário

Outro velho conhecido do torcedor vascaíno estará em campo. Será a primeira vez que Fellipe Bastos enfrentará o Vasco desde sua última passagem por São Januário, no ano passado.

Em quatro passagens pelo Vasco, Bastos disputou 182 jogos, marcou 19 gols e conquistou o título da Copa do Brasil em 2011. No ano passado, ele foi titular com Ramon Menezes, no melhor momento do clube na temporada. No entanto, perdeu espaço após a chegada de Ricardo Sá Pinto, se desentendeu com o português e não teve o contrato renovado em dezembro. Bastos assistiu pela televisão ao rebaixamento para Série B.

Fellipe Bastos reencontra o Vasco pela primeira vez desde sua última passagem. Volante fez 182 jogos pelo clube — Foto: Rosiron Rodrigues / Goiás E.C.

– O Vasco instituição está sempre aqui no meu coração e estará sempre. Mas as pessoas que lá estavam faltaram um pouquinho com respeito com a minha história dentro do clube, isso me magoou bastante. Eu nunca vou fechar a porta para o Vasco, mas acho que o melhor caminho para mim, para minha saúde e para a minha mente é ter outros ares e buscar ser melhor em outro lugar – disse Bastos, em recente entrevista ao ge, antes de acertar com o Goiás.

Curiosamente, foi Marcelo Cabo quem indicou Fellipe Bastos ao Goiás. Por pouco os dois não se encontraram no início do ano em São Januário. Nesta segunda, retornam juntos ao estádio como adversários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: