Duque de Caxias convoca para a aplicação antecipada da segunda dose de vacina da AstraZeneca

Vacinação contra a Covid-19: antecipação da segunda dose gera debate

O governador do Rio, Cláudio Castro (PL), divulgou nesta terça-feira (13) a deliberação das secretarias estadual e municipais de Saúde que autoriza a antecipação da segunda dose da vacina contra a Covid-19 da AstraZeneca/Oxford no estado. Ele afirmou que a mudança foi motivada pela disseminação de novas variantes do coronavírus, em especial a Delta, considerada mais transmissível, e frisou que o estoque para garantir a redução de 12 para oito semanas no intervalo já está reservado para a aplicação de reforço. A resolução é autorizativa, ou seja, ela permite a alteração, mas não obriga, já que cada prefeitura tem autonomia para definir os critérios da campanha de imunização.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que produz a vacina da AstraZeneca no Brasil, divulgou nota técnica defendendo o prazo de 12 semanas. Nova Iguaçu e Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, já anunciaram a adesão à recomendação do governo estadual e reduziram o intervalo para dois meses. Já o secretário de Saúde da capital, Daniel Soranz, descartou antecipar a aplicação de reforço em idosos e em pessoas com comorbidades. Segundo ele, a mudança reduz a eficácia do imunizante, o que seria prejudicial num momento em que o país registra casos da nova cepa Delta. Mas o comitê científico da Prefeitura do Rio ainda avalia se a mudança será implementada para o público com menos de 60 anos.

Em Duque de Caxias, a antecipação já começa nesta quarta-feira (14) em 16 postos, das 8h às 13h. A assessoria de imprensa da prefeitura da cidade da Baixada Fluminense divulgou um comunicado informando que “a segunda dose antecipada da vacina Astrazeneca em Duque de Caxias acontece entre os dias 14 e 17/07 e vai contemplar todos que receberam a primeira dose até o dia 17 de maio, o que corresponde a oito semanas e dois dias após a vacinação, seguindo a recomendação da SES-RJ (Secretaria estadual de Saúde)”. É obrigatório apresentar o cartão de vacinação com a data da primeira dose e documento de identificação com foto.

O secretário estadual de Saúde, Alexandre Chieppe, afirmou que estudos mais recentes dos fabricantes da vacina, a Universidade de Oxford e o laboratório AstraZeneca, mostram que a antecipação da segunda dose não causa perda de eficácia do imunizante. Ele ressaltou ainda que a variante Delta vem criando novas ondas de contágio na Europa.

— A última recomendação no Reino Unido é que só com a D2 (segunda dose) da AstraZeneca se pode bloquear a variante Delta — disse Chieppe.

A Delta, cepa identificada pela primeira vez na Índia, já teve 16 casos confirmados no Brasil, sendo três no Estado do Rio, em Campos dos Goytacazes, São João de Meriti e Seropédica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: