Diretor levou enteados e determinou vacinação, afirmam funcionários de hospital

IMPOSTO DE RENDA

Ferramenta on-line do EXTRA tira suas dúvidas sobre a declaração

Publicado em15/03/21 05:00Atualizado em15/03/21 08:31https://www.facebook.com/v2.5/plugins/like.php?action=like&app_id=&channel=https%3A%2F%2Fstaticxx.facebook.com%2Fx%2Fconnect%2Fxd_arbiter%2F%3Fversion%3D46%23cb%3Df28345d63982c1%26domain%3Dextra.globo.com%26origin%3Dhttps%253A%252F%252Fextra.globo.com%252Ff22c3b95328f27c%26relation%3Dparent.parent&container_width=100&href=https%3A%2F%2Fextra.globo.com%2Fnoticias%2Frio%2Fdiretor-levou-enteados-determinou-vacinacao-afirmam-funcionarios-de-hospital-24925270.html&layout=button_count&locale=pt_BR&sdk=joey&share=false&show_faces=falsehttps://platform.twitter.com/widgets/tweet_button.0edc1ef9f8b82d9b79c6115bda79f63f.pt.html#dnt=false&id=twitter-widget-0&lang=pt&original_referer=https%3A%2F%2Fextra.globo.com%2Fnoticias%2Frio%2Fdiretor-levou-enteados-determinou-vacinacao-afirmam-funcionarios-de-hospital-24925270.html&size=m&text=Diretor%20levou%20enteados%20e%20determinou%20vacina%C3%A7%C3%A3o%2C%20afirmam%20funcion%C3%A1rios%20de%20hospital&time=1615814099367&type=share&url=https%3A%2F%2Fextra.globo.com%2Fnoticias%2Frio%2Fdiretor-levou-enteados-determinou-vacinacao-afirmam-funcionarios-de-hospital-24925270.html&via=JornalExtrahttps://apis.google.com/u/0/se/0/_/+1/fastbutton?usegapi=1&size=small&origin=https%3A%2F%2Fextra.globo.com&url=https%3A%2F%2Fextra.globo.com%2Fnoticias%2Frio%2Fdiretor-levou-enteados-determinou-vacinacao-afirmam-funcionarios-de-hospital-24925270.html&gsrc=3p&ic=1&jsh=m%3B%2F_%2Fscs%2Fapps-static%2F_%2Fjs%2Fk%3Doz.gapi.pt_BR.5YEzC-TJz4Q.O%2Fam%3DwQ%2Fd%3D1%2Fct%3Dzgms%2Frs%3DAGLTcCNj8iF6w8TIqvlEJOMr-HrtCYP9PA%2Fm%3D__features__#_methods=onPlusOne%2C_ready%2C_close%2C_open%2C_resizeMe%2C_renderstart%2Concircled%2Cdrefresh%2Cerefresh&id=I0_1615814099478&_gfid=I0_1615814099478&parent=https%3A%2F%2Fextra.globo.com&pfname=&rpctoken=36352735

Diretor levou enteados e determinou vacinação, afirmam funcionários de hospital

Depoimentos de funcionários do Hospital Azevedo Lima, em Niterói, constam no inquérito da Delegacia de Combate à Corrupção e Lavagem de Dinheiro.

Ex-padrasto de dois estudantes de 16 e 20 anos, o diretor técnico do Hospital Estadual Azevedo Lima, Rogério Casimiro, é apontado por funcionários como o responsável por levar os jovens a unidade, no dia 28 de janeiro, e pressionar profissionais para que eles fossem vacinados contra a Covid-19. Os depoimentos constam no inquérito da Delegacia de Combate à Corrupção e Lavagem de Dinheiro (DCC-LD) que investiga o médico pelos crimes de peculato-desvio (quando funcionário público dá destino diferente a bem móvel que tenha posse também em razão do cargo), falsidade ideológica e infração de medida sanitária preventiva.

De acordo com os termos de declaração, aos quais O GLOBO e Extra tiveram acesso com exclusividade, a lista inicial dos colaboradores do Azevedo Lima que deveriam receber a imunização era composta por 1.871 nomes. O documento fora enviado para as secretarias de saúde do estado e do município. No entanto, a unidade acabou por receber somente 1.260 doses, dividas em três dias de campanha. Ocorre que no primeiro dia, em vez das 400 pessoas esperadas para se vacinar, 295 foram contempladas, dado que diversos profissionais já haviam se imunizado em outras unidades de saúde.

A partir de então, segundo a enfermeira responsável técnica do hospital informou na delegacia, Rogério deu o aval para que funcionários de setores administrativos, além de acadêmicos de Medicina e estagiários do curso técnico de Enfermagem também recebessem as vacinas. Ela ressaltou que nenhum dos dois grupos de estudantes tem autorização para atuar no combate a Covid-19.

Já a profissional que coordena o núcleo de Gestão de Pessoas da unidade, que controlava a lista de vacinação no dia 28, disse perceber existirem três nomes que não seriam dos quadros do hospital – os ex-enteados de Rogério e um médico. Ela afirmou a policiais da especializada que eles foram levados pelo diretor técnico no momento da vacinação, mas não sabe se apresentaram alguma documentação de acadêmicos de Medicina.

A administradora relatou ainda que o diretor técnico abordou uma técnica de enfermagem do trabalho, naquele dia, e ordenou que ela autorizasse a vacinação de todos os acadêmicos. “Você vai vacinar esses dois acadêmicos e um médico pessoa jurídica”, teria dito. A funcionária então se dirigiu até ela para confirmar a informação e teve o comportamento criticado por Rogério, que teria falado: “Sua técnica é ruim de informação e de trabalho, porque não quis acatar a ordem de vacinação dos acadêmicos.”

Ela relatou ainda que, no dia seguinte, foi gerada uma listagem que continha o nome dos dois entre os acadêmicos – embora o rapaz, de 16 anos, ainda não tenha terminado o colégio, e a moça, de 20, não tenha nenhum vínculo formal com o Azevedo Lima.

Procurada pelo O GLOBO e Extra, a advogada Carolyne Albernard, que defende Rogério Casimiro, confirmou que ele foi o responsável pelo remanejamento das doses para outros setores do hospital que não constavam na lista inicial diante da sobra de vacinas, mas negou que ele tenha tido conhecimento ou autorizado a imunização dos ex-enteados. “Como médico, ele sabe que a vacina nem sequer é recomendada para pacientes tão jovens. Além disso, ele tem filhos da mesma idade e uma mãe de 84 anos e não usou do seu cargo para vacinar nenhum deles”, alegou a advogada.

O delegado Thales Nogueira, titular da DCC-LD, ainda aguarda para ouvir Rogério Casimiro e Adriana de Moraes, sua ex-mulher e mãe dos dois jovens vacinados. Além disso, documentos apreendidos durante diligências na unidade de saúde e na casa deles também estão sendo examinados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: