Diniz reconhece momento ruim do Fluminense após derrota: “Tentando se encontrar”

O técnico Fernando Diniz concedeu entrevista coletiva após a derrota do Fluminense para o Corinthians, por 3 a 0, na noite deste domingo, e reconheceu o momento difícil da equipe. Segundo o treinador, o time ainda não conseguiu se encontrar na temporada e precisa melhorar como um todo.

– Em relação a recalcular a rota, não sei se é essa palavra exata, mas a gente está tentando ajustar isso não é de hoje. A gente está tentando se encontrar na temporada de uma maneira mais consistente desde que a gente voltou em janeiro. Não é por conta do jogo de hoje, por conta do ano que a gente está fazendo que está abaixo. Tanto em termos de resultado como em termos de performance. E tirando a semana que a gente decidiu a Recopa, a gente está jogando abaixo, jogando abaixo em rendimento e em resultado.

 

– A gente está jogando abaixo do que a gente pode e tendo resultados abaixo do que a gente deve, as duas coisas. Mas a gente tem uma outra coisa que a gente precisa de consistência, a gente não tem. A gente precisa imediatamente parar de errar esse tipo de erro, que o modelo de jogo não permite. São erros muito fáceis de serem evitados, então isso é uma coisa. E uma outra coisa é saber que passou a Libertadores, que passou a Recopa, que o ano 2024 começou. A gente precisa melhorar melhorar bastante, principalmente no que diz respeito á parte tática, na construção. Não adianta jogar bem um jogo, e outro jogo a gente não joga bem. Jogar bem em casa e não jogar bem fora de casa. A gente precisa ter consistência e voltar o quanto antes voltar a ser mais competitivo do que a gente tem sido.

 

Com a derrota, o Fluminense continua com quatro pontos no Brasileirão, mas agora ocupa a15ª colocação. O time de Fernando Diniz volta a entrar em campo na próxima quarta-feira, às 16h. O Flu enfrenta o Sampaio Corrêa, em Cariacica (ES).

 

Confira outras respostas do treinador

 

Correções no time

– A postura do time hoje não foi boa. Contra o Cerro eu gostei da postura do time. A gente não jogou bem tecnicamente, foi um jogo totalmente diferente desse. Mas a postura foi muito boa. Foi um jogo difícil, a gente ganhou um ponto, não perdemos dois lá. Essa foi a avaliação que eu fiz. Foi muito difícil o jogo. O time do Cerro respeitou muita gente. E a gente também respeitou muito o Cerro lá. A gente não tomou riscos necessários, mesmo assim a gente arrumou uma ou outra bola que podia ter tomado o gol. Foi um jogo muito diferente desse. Hoje a gente não jogou, a gente precisava ter muito mais foco. O que a gente faz? Trabalhar. Tem que continuar trabalhando e continuar treinando. Tem que continuar trabalhando. E ajustando cada vez mais, corrigindo no vídeo, se concentrar mais. Saber que a gente tem a capacidade de não errar. Em 2002, quando eu acabei de chegar aqui, a gente não cometia. A gente treina muito. É uma questão da gente no jogo, talvez estar mais compenetrado naquilo, não achar que aquilo é uma coisa natural. É uma coisa que o time sabe fazer e isso é uma coisa que eu acredito que a gente vai corrigir. Eu não vou precisar que vai ser amanhã, depois, mas é uma coisa que está muito no nosso alcance corrigir e a gente vai fazer de tudo para corrigir o quanto antes.

Erros foram decisivos

– Em relação ao jogo, determinante para o resultado da partida e do jogo ruim que a gente fez, repetimos muitos erros na primeira fase da construção. Os gols do Corinthians, principalmente os dois primeiros, foram erros que a gente não costuma cometer, a gente tem cometido de maneira recorrente nesse ano e os adversários estão sabendo aproveitar. No lance do segundo gol, eles erram duas vezes, das parecidas, coisa que a gente não tem hábito de errar. Fizemos mal também o jogo, a hora que tinha que alongar o jogo, estava pedindo para fazer bolas, um pouco mais de segurança, o time estava marcando bem e com dificuldade para construir na primeira fase. E a gente ficou assistindo e o Corinthians ganhou, fez um bom jogo, principalmente na marcação e conseguiu se valer dos nossos.

Posicionamento do Cano no jogo

– Não é que ele fez uma função diferente hoje, ele faz isso todos os jogos. A gente está falando que aconteceu os erros, já errou outras vezes, e na maioria das vezes ele vai ali e ajuda, acerta e ajuda a clarear o jogo, e depois ele acaba terminando a jogada. Então não foi um erro de posicionamento do Cano, foi um erro de execução, uma bola fácil, e então não é o problema dele estar ali. Ele está ali muitos jogos, e quase sempre ele está ali quando a gente está construindo. Então não foi hoje que ele estava ali.

Jogo fora do Rio de Janeiro

– Isso é uma questão de segurança pública, que está acima do nosso controle. E os caminhos eram o Cariacica, e foi uma negociação combinada. A gente conseguiu fazer esse manejo de trazer o jogo do Maranhão para o Cariacica. Então, por culminância no conjunto da obra, foi uma coisa bem pensada, sabe? A gente teria que viajar para o Maranhão, e depois a gente tentar jogar em outro lugar, talvez em Volta Redonda, porque no Rio de Janeiro, no mesmo dia, não seria possível. E a gente também pleiteou marcar para frente, mas o campeonato e as datas estão muito apertadas.

Arbitragem

– O árbitro não teve nada a ver com o resultado da partida. Fez uma boa arbitragem, está tudo certo. Obviamente tem um ponto a se levar em consideração. Jogamos lá (no Paraguai) em um campo muito pesado, muito desgastante. O tempo de recuperação é muito pouco. As viagens, o sono, tudo meio comprometido. Isso é uma coisa para pontuar, só. Mas não é para se esconder em relação a isso. Isso é uma coisa, obviamente, que pesa quando a gente já teve cinco dias para se preparar. E também não estou me queixando porque vai ter dias que a gente teve cinco dias para se preparar e os outros times três. É só uma coisa para pontuar em relação a esse jogo. A gente também não pode usar isso como um fator determinante. O resultado tem muito mais a ver com os nossos erros, com a nossa falta de capacidade de fazer um jogo melhor do que a gente fez hoje.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *