Depois de acusação, Pfizer nega pedido de suborno do governo argentino

A farmacêutica Pfizer negou no domingo (23.mai.2021) a acusação de que o ex-ministro da Saúde da Argentina, Ginés González García, havia pedido suborno para fechar contrato para aquisição de vacinas contra o coronavírus.

A resposta do laboratório vem depois de a ex-ministra de Segurança e atual presidente do principal partido oposicionista argentino (PRO), Patricia Bullrich, afirmar que González condicionou a compra dos imunizantes a uma “devolução de dinheiro” por parte da Pfizer. As informações são do jornal La Nacion.

Segundo Bullrich, o presidente do país, Alberto Fernández, estava ciente das negociações. O empresário Hugo Sigman seria intermediário das operações, de acordo com os relatos.

Em entrevista na 2ª feira (24.mai), Alberto Fernández rebateu as declarações da ex-ministra: “Ninguém jamais pediu propina ou algo parecido. É uma difamação imperdoável”.

Segundo o La Nacion, a Pfizer prepara um comunicado oficial sobre o caso, que passará por análise “das mais altas autoridades” da empresa, em Nova York.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: