Deltan indicou a juíza prioridades da Lava Jato após saída de Moro

Após o anúncio do então juiz Sergio Moro de que deixaria a magistratura para ser ministro do governo de Jair Bolsonaro (sem partido), a força-tarefa da Lava Jato manifestou a necessidade de mostrar que continuava “viva”. Para isso, procuradores indicaram à juíza substituta da 13ª Vara Federal, Gabriela Hardt, a importância de se realizar novas fases da operação.

Em 19 de dezembro de 2018, o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa à época, relatou em grupo de mensagens com procuradores ter combinado com Gabriela que indicaria as prioridades da Lava Jato. “Há 500 processos com despacho pendentes e [Gabriela] não sabe o que olhar. Combinei de criarmos uma planilha google e colocarmos o que é prioridade pra gente.”

A declaração de Deltan consta em documento feito por perícia contratada pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e protocolado na sexta (12) no STF (Supremo Tribunal Federal). Os advogados tiveram acesso a supostas mensagens trocadas por procuradores —obtidas por hackers— após decisão do Tribunal.

Procurado, o MPF-PR (Ministério Público Federal do Paraná) reiterou não reconhecer a autenticidade dos diálogos, mas afirmou que as mensagens não envolvem ilegalidade. A juíza substituta Gabriela Hardt disse que receber procuradores e advogados de réus é uma “praxe”. Também afirmou nunca ter recebido planilha com prioridades do MPF e negou qualquer pressão da força-tarefa para avaliação de denúncias ou outras decisões.

‘Seria o caso de ir conversar com a Gabriela’ A notícia de que Moro abandonaria a magistratura provocou apreensão. Em 1º de novembro de 2018, mesmo dia do anúncio, o procurador Paulo Galvão disse a colegas em grupo de aplicativo de mensagens. A grafia das conversas foi mantida conforme a petição de Lula ao STF.

“Mas olha todo mundo aqui passa por mim e comenta ‘de brincadeira’ q a LJ [Lava Jato] vai acabar… acho bom mostrarem trabalho esse ano ainda!!! seria o caso de ir conversar com a Gabriela para falar das operações pendentes de decisão? “- Paulo Galvão, procurador.

Deltan: ‘oportunidade pra colocar ela a par’ No dia seguinte, em 2 de novembro, Deltan escreveu: “Precisamos marcar reunião com a Gabriela sobre as fases pendentes de decisão”. A procuradora Jerusa Viecili concordou.

Muito importante que saiam este ano as 2 fases e deferidas por Gabriela, para demonstrar que a LJ [Lava Jato] continua viva Jerusa Viecili, procuradora Dois dias depois, Deltan anuncia que a reunião aconteceria em 7 de novembro e afirma: “se mais alguém quiser ir, é uma oportunidade pra colocar ela a par dos principais desenvolvimentos”.

Deltan: Gabriela pede ’em off’ Em 19 de dezembro de 2018, mensagens de Deltan indicam que ele conversou com a juíza sobre o andamento dos trabalhos e que ela teria sugerido o envio de informações “em off”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: