Delegado afirma que dinheiro da madeira ilegal financia políticos

O delegado Alexandre Saraiva, da Polícia Federal, afirmou que o lucro da exploração da madeira ilegal vai para grupos criminosos que financiam políticos. A afirmação foi feita em uma palestra do Instituto Federal do Piauí pela Semana do Meio Ambiente da Instituição na 4ª feira (2.jun.2021).

“Vai gerar [a madeira] muita riqueza para organização criminosa que vai fazer o quê? Financiar campanhas de políticos”, afirmou ele. “Por que tem tanto parlamentar defendendo madeireiro?”

Saraiva era o superintendente da PF no Amazonas. Ele foi retirado do cargo depois de enviar ao STF (Supremo Tribunal Federal) um pedido de investigação contra o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Segundo Saraiva, Salles atuou para obstruir uma investigação que culminou em apreensão histórica de madeira ilegal.

Ao comentar processos sobre extratores de madeira na palestra, ele criticou decisões que deram mais espaço para madeireiros agirem. Nesse momento, ele aproveitou para afirmar que decisões judiciais estão abertas à discussão e à opinião pública.

Decisões judiciais são emitidas por um funcionário público, pago pelo povo. As decisões devem ser criticadas, sim.” E completou: “Qualquer ato, de qualquer funcionário público está sujeito à opinião pública“.

Em abril, o ministro do Meio Ambiente defendeu o trabalho dos madeireiros. Salles disse que a “demonização” do trabalho dos empresários do setor pode colaborar com o aumento do desmatamento ilegal no país.

Saraiva também afirmou que a extração ilegal da madeira só é realizada com a corrupção administrativa. A madeira não circula sem um documento florestal, assim, todas as madeiras ilegais exportadas conseguiram, de alguma forma, documentos falsos ou fraudados, muitos a partir da administração pública.

O que está destruindo a Amazônia é a extração ilegal de madeira“, disse ele. Em maio de 2021, os alertas de desmatamento para a Amazônia Legal bateram recorde.

Até o dia 28, a área em alerta de devastação era de 1.180 km² –maior para o mês desde o início da série histórica do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), em 2016. O aumento ante 2020 é de 41%.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: