Cuca volta ao Atlético-MG para apagar adeus amargo em 2013

O Atlético-MG se blindou e se pronunciou no sentido de não ver a condenação de crime sexual do técnico Cuca, em 1987, como obstáculo. Ele já foi anunciado como novo comandante do Galo. O retorno de Cuca, entretanto, tem uma missão a superar. Em 2013, o treinador deixou o clube no meio da disputa do Mundial em Marrocos. Uma despedida amarga, depois de mais de dois anos em bom relacionamento.

É este sabor indigesto que Cuca deixou como última marca, ainda que tenha sido reverenciado pela torcida nos estádios em que o técnico e o Galo se reencontraram (seja por Palmeiras, São Paulo ou Santos). Cuca assinou por dois anos com o Atlético, vindo de um vice-campeonato da Libertadores. Há sete anos, ele fez um “tweet” do ex-presidente Alexandre Kalil cair por terra ao assinar com o Shandong Luneng.

O adeus deixou pendências financeiras jamais judicializadas, e o Atlético abriu mão da multa por quebra do contrato após o Mundial. O ge apurou com fontes ligadas ao clube em 2013 que a presidência do Galo preferiu não fazer a cobrança da multa. Os valores pendentes do Galo com o técnico estão dentro da negociação do acerto da sua volta.

Cuca, em última entrevista como técnico do Atlético-MG no Brasil, em dezembro de 2013 — Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG

Cuca, em última entrevista como técnico do Atlético-MG no Brasil, em dezembro de 2013 — Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG

Mundial, e tchau!

A história começa (ou termina) na reta final do Brasileirão de 2013. O Atlético, campeão da Libertadores, não brigou pelo título, mas fez campanha “ok”, terminando em oitavo, e o rival Cruzeiro com a taça. Em 21 de novembro, Kalil anunciou que Cuca renovou “até o fim do meu mandato”, ou seja, até dezembro de 2014. Depois, o Atlético faria os três últimos jogos nos pontos corridos.

A despedida do Brasil foi em 8 de dezembro, 2 a 2 contra o Vitória, no Independência. O jogo foi marcado pela volta de Ronaldinho Gaúcho, após grave lesão na coxa. Estava pronto pro Mundial. No dia seguinte, segunda-feira, o Galo embarcou para o Marrocos, 10 dias antes da estreia na competição.

Anos depois, Cuca revelou que foi no início de dezembro, ou seja, antes da maior competição entre clubes pela Fifa começar, que o Shandong Luneng fez nova oferta milionária, e ele não teve como recusar. No ano passado, o treinador relatou, ao canal do jornalista Breno Galante, como foi a história.

– No começo do mês de dezembro (de 2013), eu recebi uma proposta da China. Vieram em BH e trouxeram uma proposta muito boa. Eu morava a duas quadras do shopping do Galo, o Diamond, e a sede do Galo é na frente. Eu subi, falei com o Kalil, fui na sala dele, eu e ele, e falei da proposta que eu tinha. Falei que ele precisava entender que depois do Mundial eu ia, e depois eu voltava. Lógico que ele não gostou, tentou me fazer entender que não era o ideal. Mas eu enfatizei para ele que era a necessidade que eu tinha de fazer essa independência financeira – disse.

Cuca na delegação do Atlético para a viagem até Marrocos — Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG

Cuca na delegação do Atlético para a viagem até Marrocos — Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG

Na época, a proposta do Shandong Luneng para Cuca foi trazia à tona já com o Atlético nos preparativos para enfrentar o Raja Casablanca. Em 14 de dezembro, quatro dias antes de o Galo estrear, a oferta chinesa “surpreendeu” quem estava no Marrocos na cobertura de imprensa. Kalil já sabia e, no dia seguinte, deu declarações dizendo que Cuca era quem iria decidir. Já estava decidido, entretanto.

Veio então o jogo diante do Raja, e a derrota por 3 a 1. O Atlético perdia a chance de disputar o título do Mundial contra o Bayern, que seria o campeão. Após a eliminação, Kalil voltou a falar com a imprensa. Disse que não sabia se havia acontecido um efeito negativo da decisão de Cuca no vestiário do Galo entre os jogadores, mas cravou: “Com certeza não ajudou”.

O clima pesado era visível, entretanto, ao menos entre Marcos Rocha e Cuca. O lateral foi sacado no meio do jogo diante dos marroquinos e saiu de campo xingando o comandante. Uma rusga que teve segundo capítulo, curiosamente, na final da Libertadores 2020, entre Santos e Palmeiras.

Cuca se emociona ao se despedir do torcedor do Atlético-MG

Anúncio durante o jogo

Voltando a 2013… O Atlético ainda precisaria disputar o terceiro lugar do Mundial contra o Ghangzhou Evergrande, da China, futuro rival de Cuca. O Galo conseguiu vencer por 3 a 2, com gol no finalzinho. Durante aquela partida, o Shandong fez o anúncio oficial de que Cuca seria o novo treinador, inclusive com foto do técnico já usando o cachecol da equipe de Jinan.

Aquela partida de despedida do Mundial já foi com o Atlético tendo acertado o substituto de Cuca. Paulo Autuori estava sondado no Botafogo, mas acertou com o Galo. Ele ficaria pouco tempo, demitido em abril de 2014, após derrota na ida das oitavas da Libertadores. Levir Culpi seria o escolhido e venceria a Copa do Brasil, além da Recopa Sul-Americana. Levir, hoje, voltou ao Japão, Autuori segue no Athletico-PR (time de infância de Cuca), e o Atlético tem novo/velho treinador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: