Cruzamento de dados diz que 26 mil doses vencidas da AstraZeneca foram aplicadas; cidades negam

Um levantamento baseado no cruzamento de dados oficiais do governo federal aponta que ao menos 26 mil pessoas podem ter recebido doses vencidas da vacina AstraZeneca contra a Covid-19. O trabalho dos pesquisadores Sabine Righetti, da Unicamp, e Estêvão Gamba, da Unifesp, foi publicado nesta sexta-feira (2) pelo jornal “Folha de S. Paulo”.

Prefeituras citadas negam o problema e atribuem o achado do levantamento a falhas na inclusão de dados no Sistema Único de Saúde (SUS), que recebeu anotações com atraso de até dois meses. Ao menos uma cidade (Alagoa Grande – PB) admitiu ter aplicado 72 doses vencidas.

O Gabinete Integrado de Acompanhamento da Epidemia Covid-19 (Giac), da Procuradoria da República, pediu nesta sexta-feira (2) ao Ministério da Saúde e à Anvisa informações sobre eventual aplicação de doses de vacina da AstraZeneca fora do prazo de validade. A PGR deu cinco dias para os órgãos responderem.

Em nota conjunta, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e o Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (Conasems) dizem que todos os casos serão investigados e “não está descartado erro do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações, que desde o início da Campanha de Vacinação apresenta instabilidade no registro dos dados”.

O Ministério da Saúde informou ao G1 que todas as doses são enviadas dentro do prazo e que, caso aplicações fora do período ocorram, é preciso passar por uma nova aplicação “respeitando um intervalo de 28 dias entre as doses”.

Lotes com suspeita de aplicação após o vencimento

LoteValidadeDistribuiçãoDoses distribuídasAplicadas após validade
4120Z00129/03/202124/02/2021499.4802.911
4120Z00413/04/202122/01/2021179.880874
4120Z00514/04/202122/01/20211.819.87017.674
CTMAV50130/04/202124/03/2021100.7801.814
CTMAV50531/05/202124/03/2021316.8001.090
CTMAV50631/05/202124/03/2021350.380942
CTMAV52031/05/202124/03/2021254.16084
4120Z02504/06/202124/02/2021351.190546

Fonte: Levantamento de Sabine Righetti (Unicamp) e Estêvão Gamba (Unifesp)

De acordo com o levantamento, foram aplicadas 25.935 doses fora do prazo em pelo menos 1.532 cidades. Na lista, Maringá (PR) aparece como a cidade com mais doses vencidas: 3.536. Em nota ao G1, a prefeitura negou a prática e associou o achado dos pesquisadores a erros no preenchimento de tabelas do Sistema Único de Saúde (SUS).

O ministério diz que “caso alguma vacina seja administrada após o vencimento, essa dose não deverá ser considerada válida” e a vacinação deve ser refeita. Além disso, ainda segundo a pasta, “o vacinado deverá ser acompanhado pela secretaria de saúde local”.

O lote da vacina é uma informação que deve constar no comprovante de aplicação.

De acordo com Sabine Righetti, uma das autoras do levantamento, as informações são do DataSUs e da Sala de Apoio à Gestão Estratégica (SAGE). A equipe analisou a data de vencimento dos lotes de vacina que ainda estavam sendo ministrados no Brasil.

Primeiro, foram encontrados 8 lotes da AstraZeneca que já venceram. Depois, esses dados foram cruzados com as datas de aplicação informadas. Ainda de acordo com a pesquisadora e jornalista, esses são os únicos lotes que já passaram da validade no país.

Cidades negam aplicação fora do prazo

As prefeituras de Maringá (PR), de Belém (PA), de São Paulo (SP), de Porto Alegre (RS), de Belo Horizonte (MG), de Manaus (AM), do Recife (PE), de São Luís (MA), de Porto Velho (RO), de Juiz de Fora (MG), da Baixada Santista, de Salvador (BA) e as secretarias de saúde do Distrito Federal, de Mato Grosso do Sul, do Ceará, do Amapá, e do Piauí divulgaram notas rebatendo o levantamento.

Na contramão e confirmando os dados, a cidade de Alagoa Grande (PB) diz que há aproximadamente dois meses percebeu o erro, informou a secretaria estadual e solicitou o reforço na vacinação dos 72 afetados.

No Rio de Janeiro, os municípios informaram que investigam se houve aplicação de doses vencidas.

Em comunicado, o secretário da Saúde de Maringá, Marcelo Puzzi, afirmou que o erro não ocorreu.

“O lançamento no Sistema Conect SUS está diferente do dia da aplicação da dose. Isso porque, no começo da vacinação, a transferência de dados demorava a chegar no Ministério da Saúde, levando até dois meses. Portanto, os lotes elencados são do início da vacinação e foram aplicados antes da data do vencimento. Concluindo, não houve vacinação de doses vencidas em Maringá, e sim erro no sistema do SUS.” – Marcelo Puzzi, secretário da Saúde de Maringá

A Prefeitura de Belo Horizonte também negou o problema.

“O que ocorreu foi o registro da data de aplicação de forma incorreta no sistema do PNI. A Secretaria Municipal de Saúde informa que já contatou as pessoas que foram vacinadas com os lotes em questão, verificou os cartões de vacina, e não há nenhuma inconformidade”, informou a prefeitura de Belo Horizonte em nota.

A prefeitura de Juiz de Fora divulgou um post nas redes sociais também negando o erro.

“O lote 4120Z005 da vacina AstraZeneca foi recebido em 31/01, e tinha data de validade até 16/04/2021. Todas as doses desse lote foram administradas dentro do prazo correto, entre 01/02/2021 e 09/04/2021”, informou a prefeitura.

Íntegra da nota dos conselhos de saúde

“O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e o Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (Conasems) vem a público esclarecer que:

  1. Todos os casos sobre aplicação de doses contra a Covid-19 fora do prazo de validade serão investigados;
  2. Não está descartado erro do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações, que desde o início da Campanha de Vacinação apresenta instabilidade no registro dos dados;
  3. O número de casos identificados corresponde a 0,0026% de todas as doses aplicadas no País, sendo necessária ponderação e investigação quanto à aplicação das doses e preenchimento das informações;
  4. A ação de Estados e Municípios visa dar rápida resposta à sociedade brasileira;
  5. Por fim, ressaltamos que todos os profissionais destacados pelos municípios para aplicação das vacinas adotam as boas práticas de vacinação, dentre as quais, a checagem do prazo de validade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: