CPI faz audiência pública nesta sexta com especialistas favoráveis a medidas restritivas e máscaras

A CPI da Covid fará nesta sexta-feira (11) uma audiência pública com especialistas favoráveis às medidas restritivas e ao uso de máscaras como forma de prevenção do coronavírus.

Serão ouvidos a microbiologista Natalia Pasternak, pesquisadora da Universidade de São Paulo (USP), e o médico sanitarista Cláudio Maierovitch, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), ex-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Natalia Pasternak e Cláudio Maierovitch falarão na condição de convidados. A reunião está prevista para iniciar às 9h.

Os dois especialistas também são defensores da vacinação e críticos à prescrição de medicamentos comprovadamente ineficazes contra a Covid-19, caso da cloroquina e da ivermectina.

Uso de máscara

O comparecimento dos especialistas ocorre um dia após o presidente Jair Bolsonaro ter afirmado que que pediu um parecer do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para desobrigar o uso de máscaras por quem estiver vacinado contra a Covid ou já tiver contraído a doença.

A ideia criticada por médicos e pesquisadores, que consideram imprescindível o uso do equipamento de proteção.

A Organização Mundial de Saúde (OMS), as entidades médicas e os especialistas em saúde pública, no entanto, reforçam desde o início da pandemia que o uso da máscara é uma das formas de prevenção para a pessoa que usa o item e quem está próximo dela.

Contudo, o presidente Jair Bolsonaro critica o uso de máscara, participa de aglomerações e defende o uso de medicamentos comprovadamente ineficazes contra a Covid.

De acordo com o consórcio de veículos de imprensa, com base em dados das secretarias estaduais de Saúde, o Brasil ultrapassou 480 mil mortes por Covid. Ao todo, 17,2 milhões de casos da doença já foram confirmados.

Medidas restritivas

Em entrevista ao Jornal Nacional, em abril, o pior momento da pandemia no Brasil, quando o número de mortes diárias pela Covid ultrapassou a casa dos 4 mil, Cláudio Maierovitch defendeu a adoção de uma medida “mais dura” para reduzir a circulação do vírus.

“Uma medida de restrição que se possa dar o nome de lockdown ou algo parecido, em que a maior parte das pessoas fica em casa e que todo tipo de aglomeração está proibido e que a frequência a lugares que envolvem atividades que não são essenciais também está proibida”, afirmou à época.

Ele também já deu declarações favoráveis ao uso de máscaras, à higiene das mãos, uso do álcool em gel, e ao distanciamento social, em outros momentos da pandemia.

Vacinas e cloroquina

Natalia Pasternak é crítica da gestão da pandemia pelo governo federal. Defensora da imunização da população, ela criticou o ritmo lento da vacinação no Brasil, provocado pela falta de planejamento para aquisição de doses.

Assim como Maierovitch, a pesquisadora da USP é contrária à recomendação de cloroquina para o tratamento da Covid-19. O remédio é comprovadamente ineficaz contra a doença.

Em julho de 2020, a microbiologista publicou um artigo em que já afirmava que havia evidências de que o medicamento não funciona contra a doença, inclusive no uso precoce.

A publicação do artigo ocorreu no mês em que o Ministério da Saúde, à época chefiado pelo general Eduardo Pazuello, divulgou uma nota informativa em que, nas palavras da especialista, promovia o uso da cloroquina e da hidroxicloroquina, baseando-se em “evidências fracas”.

Sobre o tema, Cláudio Maierovitch afirmou que a atitude do Ministério da Saúde era “pouco profissional”. “Não é usual que por meio de um simples ofício que não tem uma base científica sólida, se oriente uma mudança em relação à conduta dos profissionais”, afirmou o sanitarista à GloboNews em julho de 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: