Com ações emergenciais, não há desabastecimento de energia, diz ONS

O diretor-geral do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), Luiz Carlos Ciocchi, afirmou nesta 3ª feira (15.jun.2021) que não há risco de desabastecimento de energia até o fim de 2021, caso ações emergenciais de armazenamento de energia sejam feitas. Participou da Comissão de Minas e Energia da Câmara, que debateu a crise hídrica.

As ações emergenciais, consideradas essenciais pelo diretor do ONS, têm como foco reduzir as restrições de vazão nas usinas de Jupiá e Porto de Primavera, além de flexibilizar a operação dos reservatórios de cabeceira da bacia do Rio Paraná. As ações geram um ganho de 3,8% no SIN (Sistema Interligado Nacional).

Segundo Ciocchi, as ações emergenciais devem afetar o uso das hidrovias e o setor do turismo, mas não prejudica a agricultura e o fornecimento de energia elétrica. “Se não adotarmos essas ações, chegaremos em 2022 com uma situação muito frágil“, disse.

Outras ações consideradas emergenciais pelo ONS é reduzir o calado ou paralisar a hidrovia Tietê-Paraná, a partir do dia 1 de julho, e flexibilizar a operação dos reservatórios do Rio São Francisco.

Todas as ações emergenciais devem gerar energia armazenado de 10,3% em novembro de 2021, fim do período de seca. Após esse período, segundo Ciocchi, há uma tendência de volta das chuvas.

O Brasil também deve aumentar a importação de energia da Argentina e Uruguai a partir do dia 31 de julho. Segundo a ONS, a ação deve gerar “custo elevado pago por todos os consumidores“.

Outra ação que eleva o custo da energia, segundo a ONS, é utilizar toda a geração termelétrica já disponível no país (16,5 GW). A medida já está em execução.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: