Cidade do Rio identifica 3º caso da variante delta do coronavírus

A Cidade do Rio identificou o terceiro caso da variante delta (B.1 617.2), identificada pela primeira vez na Índia, no município. A Secretaria Municipal de Saúde confirmou ao VivaBem que a cepa foi identificada em uma mulher, de 72 anos, com comorbidades, moradora de Campo Grande, na zona oeste da cidade, por meio de sequenciamento genômico. A paciente teve um quadro de síndrome gripal leve, mas já está curada.

Os outros casos identificados na quarta-feira (14) foram de dois homens, de 27 e 30 anos, moradores dos bairros de Olaria e Paquetá. Segundo a pasta, ainda está sendo realizada a investigação epidemiológica dos três casos da variante delta, que tem alta capacidade de transmissão.

“A Vigilância em Saúde da SMS-Rio segue fazendo o acompanhamento epidemiológico da pandemia na cidade e, em conjunto com a Secretaria de Estado de Saúde e a Fiocruz, o monitoramento da entrada de diferentes cepas”, declarou ao VivaBem.

A pasta também ressaltou a importância de a população continuar seguindo os protocolos sanitários recomendados por especialistas contra a covid-19. Entre as medidas estão o uso de álcool em gel para higienizar as mãos, manter o distanciamento social e usar máscara de proteção.

A reportagem questionou a secretaria se a idosa já havia sido imunizada contra a covid-19, mas ainda não recebeu retorno.

Outros casos no estado

No início do mês, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) do Rio de Janeiro já havia confirmado outros dois casos de infecção de covid-19 pela variante delta. Os registros, de acordo com a pasta, foram feitos nas cidades de Seropédica e São João do Meriti, ambas na Região Metropolitana.

Os casos foram confirmados a partir de amostras registradas nos dias 16 e 17 de junho em um homem de 30 anos e em uma mulher de 22. Na ocasião, a SES informou que “os municípios já foram comunicados e estão realizando a investigação epidemiológica para identificar se são casos importados ou autóctones, ou seja, adquiridos dentro do estado”.

Os casos foram confirmados a partir de amostras registradas nos dias 16 e 17 de junho em um homem de 30 anos e em uma mulher de 22. Na ocasião, a SES informou que “os municípios já foram comunicados e estão realizando a investigação epidemiológica para identificar se são casos importados ou autóctones, ou seja, adquiridos dentro do estado”.

Todos os meses, um programa de monitoramento genômico feito em parceria com a SMS analisa cerca de 800 amostras. Esse trabalho, segundo a SES, mostra que a variante P.1 (Brasil) continua sendo a mais frequente no estado. Há também registros, mas em número baixo, da cepa VOC B.1.1.7 (Reino Unido).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: