China deve priorizar venda de vacinas à Europa em vez do Brasil, diz Thomas Law

O advogado Thomas Law, presidente do Ibrachina (Instituto Sociocultural Brasil e China) diz que, com os problemas enfrentados na entrega da vacina de Oxford, a Europa passou a buscar as vacinas chinesas, concorrendo com o Brasil nesse mercado.

Para ele, esse movimento, conta, não influirá em nada nas doses já contratadas da CoronaVac, mas terá impacto nos outros contratos que possam interessar ao governo. Ele avalia que os europeus devem ter prioridade.

Na semana passada, o governo brasileiro e o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), pediram que o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, verifique “a possibilidade de a Sinopharm fornecer 30 milhões de doses da vacina BBIBP-CorV” ao Brasil. Franco espera obter o imunizante “se possível, ainda para o 1º semestre de 2021”. 

“Um pedido dessa coalizão nacional endereçado aos laboratórios terá um problema: há muitos países da Europa procurando vacinas da China. Houve o problema da AstraZeneca. Tem essas novas demandas que a China teria de colocar como lista de prioridade”, afirmou em entrevista ao Poder360.

Desde o começo da crise, o Ibrachina tornou-se um dos principais interlocutores da embaixada chinesa junto ao mundo empresarial e político. Thomas já recebeu pedidos de ajuda de mais de 10 governadores para fazerem a compra direta de vacinas. No entanto, como não havia legislação permitindo compras diretas no pais, o processo tornou-se lento. Somado a isso, a retórica do governo federal e dos filhos do presidente influenciaram negativamente nessas ações.

Paralelamente, Law é bastante procurado por deputados e senadores para intermediar ações da China em suas bases. Em exemplo recente, os deputados Marcelo Ramos (PL-AM) e Evair de Melo (PP-ES) conseguiram apoio do instituto e da embaixada chinesa para conseguir doações, sobretudo de oxigênio, para hospital de Manaus durante o colapso no Amazonas.

“Não basta só o pedido formal. Numa relação de amizade com seu maior parceiro comercial, um pedido não formal ajuda a facilitar a circulação de mercadorias, de compra e venda“, prosseguiu.

Com a aprovação do projeto que permite a compra por estados, municípios e empresários, o processo deve tornar-se mais ágil, ainda que as doses possam encarecer.

“Dá autonomia para o setor privado, os municípios e Estados irem atrás de vacinas. Óbvio que tem que passar por uma logística, o aval do Ministério da Saúde, mas melhora o ambiente”, disse. “Se cada Estado e município compra [vacinas] de forma independente, talvez não seja com o preço ideal”, ponderou.

INSEGURANÇA JURÍDICA

É como os empresários chineses enxergam hoje em dia os negócios com o Brasil. Law cita como exemplo a decisão recente do governo federal de excluir a Huawei do edital para fornecer a rede de comunicações interna do governo federal.

“De um lado, estão as agências reguladoras e, do outro, a formatação da lei de liberdade econômica. Até onde uma agência pode atrapalhar o livre mercado?”, questiona.

“Muitas empresas querem vir para o Brasil, mas têm receio. Hoje, se falar em biocombustão, novo marco legal do saneamento, isso fará com que empresas chinesas que já detêm capital tecnológico ajudem as brasileiras”, conclui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: