fbpx

Centros oferecem apoio para vítimas de violência na Baixada

São diversos os fatores que fazem com que uma mulher vítima de violência doméstica se mantenha em um relacionamento com o companheiro agressor: medo de perder os filhos, dependência econômica, medo de denunciar e ser perseguida pelo ex-companheiro. Muitas vezes ela acaba sendo refém deste ciclo de violência e, para ajudá-la, existem os Centros Integrados e Especializados de Atendimento à Mulher, que são espaços mantidos pelo governo do estado ou pelas prefeituras para acolher e orientar essas vítimas. Nesses centros, elas são atendidas por uma equipe formada por psicólogas, advogadas e assistentes sociais.

Acolhida no CEAM (Centro Especializado de Atendimento à Mulher) de Nova Iguaçu há 4 meses, Maria (nome fictício), de 43 anos, já denunciou o ex-marido diversas vezes em delegacias por tentativas de agressão e ameaças. Mesmo com duas medidas protetivas, ele ainda a persegue e chegou a tentar invadir a casa dela armado há menos de um mês. Ela tem recebido áudios com ameaças de morte. No CEAM, Maria é orientada sobre os processos contra o agressor por uma advogada e recebe atendimento psicológico. A equipe também solicitou uma viatura da Patrulha Maria da Penha, da Polícia Militar, para ficar próximo à casa dela.

— Às vezes você quer falar e a pessoa não quer te ouvir. Quando você chega na delegacia, o escrivão está escrevendo o que você relata, mas você não tem a atenção que tem aqui, de ser ouvida e saber que aquilo ali vai para frente. As meninas se colocam no lugar da gente. Não julgam, não criticam. Eu sou ouvida e encaminhada no que eu preciso — diz.

Ela foi orientada a buscar o centro por uma psicóloga do Tribunal de Justiça em uma das vezes em que pediu uma medida protetiva contra o ex-marido. A violência doméstica não afeta só as mulheres, ela também se estende para os filhos, por isso, o centro conta com psicopedagogas para atender as crianças. A filha de Maria, de 12 anos, frequenta consultas no local, e a mãe já notou que os atendimentos têm ajudado a filha:

— Agora ela se abre mais comigo, não fica mais acuada pelos cantos só chorando.

No CEAM, Maria aprendeu a identificar as diversas formas de violência e, por causa disso, já aconselhou que uma amiga vá buscar atendimento psicológico no local.

— Já trouxe uma vizinha para conversar com a psicóloga. Se segurou no braço, mas não bateu. Segurou. Isso já é uma violência. Empurrão também é uma agressão. Eu não sabia o que significava uma agressão.

Orientação e encaminhamento

O CEAM é mantido pela Prefeitura de Nova Iguaçu e só atende moradoras da cidade. Mas moradoras de outros municípios podem ser atendidas no CIAM Baixada (Centro Integrado de Atendimento à Mulher), que funciona no mesmo prédio, e é mantido pelo governo do Estado. No local, as vítimas recebem orientações e encaminhamentos para programas de benefícios sociais e de empregabilidade para tentar romper a dependência financeira do agressor, se for o caso. Em situações extremas, são encaminhadas para abrigos. Além disso, são orientadas sobre as formas de fazer a denúncia e os processos. Elza (nome fictício), de 32 anos, saiu de casa no ano passado quando o ex-marido tentou agredi-la. O filho mais velho, de 12 anos, presenciou a cena e pediu ajuda a vizinhos.

— Meu filho teve que amadurecer em instantes — lembra, emocionada.

Vítima de violência sendo atendida no CIAM Baixada
Vítima de violência sendo atendida no CIAM Baixada

Com medo, ela não voltou mais à casa e teve que refazer todos os documentos que ficaram lá, porque a família do ex-marido não quis devolver e ainda a pressionou para reatar o casamento. Para refazer os documentos, ela contou com orientação da equipe do CIAM, e também para dar prosseguimento às denúncias e processos de pensão, divórcio e guarda dos filhos. Ela chegou ao local em busca de atendimento psicológico:

— É difícil porque não é só sobre o agressor, eu luto contra uma família inteira. A gente sempre pensa “vai melhorar”, porque quando aconteciam as brigas ele vinha com aquele texto “desculpa, tenho gênio difícil, não vou fazer mais isso”. E por causa das crianças, eu ficava.

O CIAM Baixada também oferece atendimento remoto (telefone ou videochamada). Só em julho, a unidade atendeu mais de 400 mulheres.

Veja abaixo onde buscar ajuda:

CIAM Baixada – Nova Iguaçu

Rua Terezinha Pinto 297, 3º andar, Ciam Baixada.

Tels: (21)2698-6008/ (21) 99394-3787

CEAM NOVA IGUAÇU

End.: Rua Terezinha Pinto 297 (2º andar)

Tel: (21) 2698 2562

CEAM – Queimados

Rua Ministro Odilon Braga n° 26 – Centro

Tels: (21) 26652508 / (21)99422-3889

CEAM – Itaguaí

Rua General Bocaiúva s/n° Centro

Tel: (21) 3782-9000, ramal: 2514

CEAM – Japeri;

Av. São João Evangelista s/no – Engenheiro Pedreira

Tel: (21) 3691-0068

CEAM CAXIAS

Alameda Rui Barbosa, s/n, quadra 17, lote 08. Jardim Primavera – Duque de Caxias

Tel. 021 2773-1896

Email: casadamulhercaxiense@

gmail.com

CEAM CAXIAS II

Rua: Marechal Floriano 555, Jardim 25 de Agosto, Duque de Caxias.

Tel. 2653- 2546.

E-mail: ceamveraluciapereira@

gmail.com

CEAM SÃO JOÃO DE MERITI

Rua Defensor Público Zilmar Pinaud, 122 Vilar dos Teles – São João de Meriti/RJ. Cep: 25.555-690

Tel: (21)26511198/2662-7626

Email: superintendencia.mulher

.sjmeriti@gmail.com

CASA DA MULHER NILOPOLITANA

Rua Antônio João Mendonça, n° 65 – Centro – Nilópolis. CEP: 26.540-020

Tel.: (21) 2691-6887

Horário de Funcionamento: de 9h às 17h

CRAM GUAPIMIRIM

Rua Abraão 2226 – Bananal – Guapimirim

E-mail provisório: cram.guapimirim@gmail.com

Telefone provisório: (21) 99636-8740

CEAMBEL BELFORD ROXO

Centro Especializado de Atendimento à Mulher de Belford Roxo

Av. Joaquim da Costa Lima, n° 2.490, Santa Amélia – Belford Roxo. CEP: 26.165-385

Tel.: 2761-6604 / 2761-6700 – Fax: 2761-5845

CEAM Mesquita

Rua Paraná, 1, 2° andar do Fórum de Mesquita – Sala 201

Tel.: 2797-8600 (Ramal 8661)

NIAM SEROPÉDICA

Rua: Travessa Abgail Vicente de Lima, n°8 – Fazenda Caxias- Seropédica. Tel.: 3787-6796

Horário de 9h às 17h

Email: niamseropedica@gmail.com / Jamilarmh@gmail.com

CEAM PARACAMBI

Rua São Paulo, s/n°, Guarajuba – Paracambi (Ref.: Antigo Posto de Saúde). CEP: 26.600-000. Tel.: 3693-4685.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: