Cai taxa de ocupação de UTI em hospitais privados do Brasil, diz associação

A taxa de ocupação de leitos de UTI (unidade de terapia intensiva) para pacientes com covid-19 em hospitais privados caiu, em média, 13 pontos percentuais nas últimas duas semanas. Passou de 98% para 85%. As instituições já começaram a retomar as cirurgias eletivas suspensas no período de maior sobrecarga.

Esses dados são da Anahp (Associação Nacional de Hospitais Privados) e vêm de 56 hospitais de excelência de todo o país.

Os hospitais privados da região Sul têm a menor taxa de ocupação das UTIs, com 80,4%. Os do Sudeste têm a maior, 87,3%. As outras regiões, Norte, Nordeste e Centro-Oeste estão com 84% dos leitos ocupados.

Segundo Antônio Brito, diretor executivo da Anahp, a queda é um fenômeno nacional. Diz que os principais reflexos da redução podem ser observados na fila de pacientes que existia fora dos hospitais à espera de um leito de UTI.

O Hospital Israelita Albert Einstein, de São Paulo, retomou nesta semana os procedimentos eletivos. O centro cirúrgico do 5º andar, o maior da instituição, tinha sido transformado em UTI e semi-intensiva para pacientes com covid-19, mas agora voltou à sua finalidade anterior.

O presidente do hospital, Sidney Klajner, diz que houve queda repentina seguida de estabilidade no número de novas internações por covid-19 e altas nos últimos 3 dias. Na 3ª feira (13.abr), por exemplo, houve 11 altas e 10 admissões. O Einstein tinha na 4ª feira (14.abr), 158 pacientes internados com covid-19.

Já no Hospital do Servidor Público Estadual, até o fim de março eram admitidos na UTI de 8 a 10 pacientes com covid-19 por dia. Na 4ª feira (14.abr), foram 2. No pronto-socorro para covid-19, eram atendidos 220 pacientes. O número agora caiu para 90.

Mesmo com a queda de novas internações a crise de saúde em vários Estados pelo desabastecimento do “kit intubação” e de oxigênio continua porque ainda há muitos pacientes internados em estado crítico.

A falta do kit levou a restrições de atendimento em Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro. O Ministério da Saúde efetivou só 17% das compras planejadas dos medicamentos para os kits.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: