Brasil vence a Venezuela em amistoso em dia de alta de Renan Dal Zotto

Dia de dupla vitória para o vôlei brasileiro. A seleção brasileira masculina foi à quadra no mesmo dia em que o treinador Renan Dal Zotto teve alta de um hospital no Rio de Janeiro, após mais de um mês internado com Covid-19, e não encontrou dificuldades para derrotar a Venezuela por 3 sets a 0 (com parciais de 25/19, 25/17 e 25/19) no primeiro de uma série de três amistosos com vistas à Liga das Nações e aos Jogos Olímpicos de Tóquio.

Comandada pelo assistente de Renan, Carlos Schwanke, a seleção foi à quadra da Arena Carioca 3, no Rio, com Bruninho, Lucarelli, Douglas Souza, Lucão, Isac e Thales. Douglas, por sinal, foi eleito o melhor em quadra.

– Um ano e pouco sem vestir a amarelinha aqui. Mas estamos muito contentes, muito gratos por poder estar aqui novamente – afirmou Douglas.

Antes do início do duelo, os atletas chegaram a receber uma mensagem do treinador, que já estava em casa.

Os venezuelanos, que também estão classificados para as Olimpíadas de Tóquio, também vão ser adversários do Brasil em partidas amistosas neste sábado (17h) e neste domingo (10h).

O jogo

O Brasil começou errático e viu a Venezuela ostentar uma liderança no início do primeiro set. Chegou a ter 6 a 4. Mas, aos poucos, Lucarelli e Douglas Souza passaram a melhorar a produtividade ofensiva, o bloqueio com Lucão e Isac encaixou e a seleção encostou e, rapidamente, passou a controlar o placar. Depois de um ace de Douglas, por exemplo, o time abriu 14 a 10. Pouco mais tarde, abriu 18 a 13 e conduziu a dianteira para fechar a parcial em 25 a 19.

A seleção também demorou a desgarrar no segundo set. A maior folga veio no 13 a 10 depois que Douglas arrematou um contra-ataque. Aí, desencantou. Com um ace de Wallace, a vantagem foi alargada para 17 a 11.

Com a folga no marcador, Schwanke começou a testar algumas opções e colocou Fernando Cachopa e Fernando Roque nos lugares de Bruninho e Wallace. Minutos depois, Vaccari entrou para a saída de Lucarelli. O ritmo não caiu e o Brasil venceu o set por 25 a 17.

Schwanke manteve as alterações para o terceiro set e ainda incluiu o central Matheus Pinta na rotação, e a seleção tomou as rédeas desde o começo. Rapidamente, o time verde e amarelo alcançou 10 a 3 graças a uma sequência impressionante de Felipe Roque no saque. Maurício Souza, campeão olímpico em 2016, e João Rafael também entraram em quadra e a formação original do time foi praticamente toda desfeita – só Thales permaneceu.

A toada não mudou e o time, que aguarda o retorno do comandante Renan, fechou o set em 25 a 19 e a partida em 3 sets a 0.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: