fbpx

Brasil se impõe, vira sobre a Rússia e vai à semifinal no vôlei feminino

Foi preciso bem mais que paciência. Depois daquele começo de jogo, quando nada parecia dar certo, duas mexidas fizeram mudar o rumo em quadra. Ao chamar Macris e Rosamaria, José Roberto Guimarães deu novo ritmo a um time em descompasso. Sob o comando da dupla, o Brasil garantiu seu lugar na semifinal das Olimpíadas de Tóquio na marra. Uma virada com gosto de confiança: 3 sets a 1, parciais 23/25, 25/21, 25/19 e 25/22. Na próxima sexta-feira, em horário ainda a ser definido, encara a Coreia do Sul por um lugar na decisão. Se avançar terá pela frente a vencedora da outra semifinal entre EUA e Sérvia.

A seleção não teve um bom começo. Àquela altura, tinha problemas para cobrir e defender os ataques incansáveis de Fedorovtseva e Goncharova. Em um jogo tranquilo, Macris talvez nem entrasse em quadra. Fora dos dois últimos jogos por uma entorse no tornozelo direito, a levantadora começou na reserva. Ao lado de Rosamaria, entrou no segundo set para mudar o jogo. A dupla comandou a virada rumo às semifinais.

Brasil x Rússia vôlei Olimpíadas — Foto: REUTERS/Valentyn Ogirenko

A Rússia joga sob o nome de ROC por conta da punição imposta devido ao escândalo de doping no esporte do país. Não pode usar nome, bandeira ou qualquer coisa que lembre sua nação – ainda que o vermelho do uniforme não deixe esconder.

1° set – Instável, Brasil cresce no fim, mas Rússia sai na frente

Quando a bola de Roberta saiu sem tempo para Carol junto à rede antes de cair no lado brasileiro, a Rússia já marcava 3/0 no placar. O time, então, se reuniu ao centro da quadra e se abraçou. A ansiedade por encarar um clássico logo nas quartas de final das Olimpíadas era evidente. Aos poucos, porém, o Brasil começou a se encontrar. Em um ataque de Fernanda Garay pelo meio, a diferença caiu para apenas um ponto, em 8/7.

A Rússia voltou a abrir, e o Brasil voltou a buscar. Quando o placar marcou 12/11, mesmo em vantagem, o técnico Sergio Busato parou o jogo. Funcionou. As russas dispararam mais uma vez e nem o pedido de tempo de Zé Roberto arrumou a casa. As rivais marcaram 15/11 enquanto o Brasil tentava se encontrar em quadra.

Tandara Brasil Rússia vôlei feminino Olimpíadas Tóquio — Foto: Toru Hanai/Getty Images

O técnico brasileiro, então, tentou a inversão e mandou Macris e Rosamaria para o jogo. Deu certo. O Brasil reagiu e, em um bloqueio de Carol, fez a diferença cair para apenas um ponto mais uma vez, em 20/19. Mas a seleção ainda sofria pelas mãos de Fedorovtseva e Goncharova. E foi justamente a veterana quem fechou o set em 25/23.

2° set – Rosamaria entra e comanda virada no set

Na volta à quadra, o Brasil pareceu mais atento. Tomou a frente pela primeira vez em todo o jogo em uma bela bola de Gabi, abrindo 4/3. O técnico russo, mais uma vez, parou o jogo. E, mais uma vez, disse alguma coisa que mudou o rumo do seu time em quadra. A Rússia logo voltou a tomar a dianteira e fez 7/4 em um ataque de Vonkorova. A diferença aumentou em um ataque de Fê Garay na antena.

Ninguém parecia conseguir parar Fedorovtseva e Goncharova. A jovem russa, de apenas 17 anos, destruía a defesa brasileira até com certa facilidade. Zé, mais uma vez, tentou a inversão. Ao mandar Rosamaria e Macris para a quadra, fez a seleção crescer mais uma vez. Fê Garay, em um bloqueio, diminuiu a diferença para apenas um ponto, em 15/14. Em um ótimo ataque pelo meio, Gabi fez com que a seleção deixasse tudo igual.

Fernanda Garay Brasil Rússia vôlei feminino Olimpíadas Tóquio — Foto: Carlos Garcia Rawlins/Reuters

O Brasil, enfim, cresceu. Rosamaria, com um ace, e Carol Gattaz, no bloqueio, fizeram a seleção abrir 19/17. Não que a partida tivesse se transformado em algo fácil, mas as brasileiras conseguiram se impor pela primeira vez no jogo. A seleção manteve o ritmo até o fim do set para deixar tudo igual no placar, em 25/21.

3° set – Seleção mantém ritmo e vira o placar

O Brasil manteve o mesmo nível de jogo na volta ao set. A cobertura, que tanto falhara no início, funcionava à perfeição. O bloqueio também passou a funcionar. Ainda que não pontuasse, já não permitia que Fedorovtseva e Goncharova atacassem com tanta facilidade. Em um ataque de Rosamaria, a seleção abriu 8/5.

Brasil encara russas nas Olimpíadas — Foto: Julio César Guimarães/COB

Carol Gattaz, pelo meio, fez a seleção abrir 12/7 em seu melhor momento até ali. Voronkova, outro destaque das russas, tentou fazer as rivais reagirem. Mas, no bloqueio de Gattaz e Rosamaria, a seleção voltou a abrir 13/9. Mas não podia ser tão fácil. Um ace de Voronkova e um bloqueio de Koroleva fizeram as russas ficarem a um ponto do empate, em 15/14. Zé Roberto, então, parou o jogo. O Brasil retomou o ritmo e não permitiu mais qualquer reação. Na pancada de Rosamaria, o fim do set: 25/19.

4° set – Seleção vira a parcial e vai à semifinal

O início de jogo ficara de vez para trás. Àquela altura, todo o time jogava bem. Gabi, incansável na cobertura, e Carol Gattaz, em seu melhor jogo, davam suporte e ritmo à equipe. Do outro lado, porém, a Rússia quis reagir. Em uma sequência ruim do lado brasileiro, chegou à virada em 16/15. Fedorovtseva, em um ace, aumentou a vantagem. Zé Roberto, então, voltou a parar o jogo. O time reagiu. Voltou a ditar o ritmo para retomar a dianteira na reta final. Em 25/22, garantiu a vitória e a vaga na semifinal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: