Brasil falha na comunicação sobre o meio ambiente, diz presidente da FPA

O presidente da FPA (Frente Parlamentar da Agropecuária), deputado Sergio Souza (MDB-PR), disse em entrevista ao site Poder360 que o Brasil falha na comunicação sobre o meio ambiente. Ele discorda de que haja problemas na gestão dessa área.

Declarou que o aumento no desmatamento observado durante o governo de Jair Bolsonaro é de supressão legal de floresta, dentro dos parâmetros do Código Florestal.

Souza também disse que a FPA não deve se envolver na discussão sobre a autorização para produzir no Brasil a Cannabis para fins medicinais.

O congressista falou ainda sobre o ganho que a tecnologia de internet 5G pode proporcionar à agropecuária, a relação do Brasil com a China e a reforma tributária.

O deputado assumiu a presidência do grupo, que tem 282 congressistas, segundo o site da Câmara, no início de 2021. 

MEIO AMBIENTE

O Brasil está sob pressão internacional por causa dos recordes de desmatamento na Amazônia.

O presidente Jair Bolsonaro minimizou a importância do fato em diversos momentos. Em discurso na Cúpula do Clima, porém, sinalizou a meta de zerar o desmatamento ilegal até 2030.

Sergio Souza, porém, disse que quase todo o aumento do desmate foi realizado dentro dos parâmetros legais.

“Acredito que no governo do presidente Jair Bolsonaro, muito mais aberto a liberações, a supressão de vegetação nativa foi autorizada porque a lei assim permite”, declarou.

Ele disse que o Brasil faz sua parte em questões ambientais, mas não consegue se comunicar. “Nós somos um país que tem uma enormidade de florestas plantadas e o mundo não sabe disso”.

“O ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) tentou fazer isso [melhorar a imagem do país] no início, só que talvez faltou a ele um pouco de tato, um pouco de comunicação, ou de eco lá fora”, disse o deputado.

Segundo Sergio Souza, países europeus usam o discurso ambiental para tentar restringir seus mercados ao agronegócio brasileiro e proteger suas próprias produções.

“O que a Europa quer garantir são os seus empregos. Agora, produzir um quilo de frango, de presunto, na Europa é o dobro do custo de produzir um quilo de frango ou de presunto aqui no Brasil”, disse o deputado.

“CANNABIS NÃO É AGRO”

O deputado declarou que a FPA não deve participar discussão do projeto que tramita na Câmara sobre a possibilidade de produzir Cannabis.

A proposta inicial, o PL (projeto de lei) 399 de 2015, tratava da comercialização de medicamentos derivados da planta.

O relator, Luciano Ducci (PSB-PR), expandiu a proposta para permitir a produção com fins medicinais e industriais, mas não recreativos. Leia a íntegra (399 BK) do relatório de Ducci. A discussão se dá em comissão especial, e não há perspectiva de chegar ao plenário em breve.

“Isso não é agro. E a FPA não entrará nessa discussão”, disse Sergio Souza. Segundo ele, apoiar ou não o projeto será uma decisão pessoal de cada deputado.

“Acho que nós não precisamos produzir maconha, já tem muita gente produzindo por aí de forma ilegal, não precisamos trazer essa discussão”, declarou.

“Eu sou a favor da utilização da Cannabis para fins medicinais. Mas não precisamos produzir aqui. Podemos trazer de fora”, declarou.

Segundo ele, em comparação com o tamanho da produção agrícola do Brasil, possibilitar o plantio da Cannabis não teria efeito significativo.

Diversos países têm legalizado o uso recreativo da Cannabis. Só no Estado de Nova York, nos EUA, o mercado deve ser de US$ 1,2 bilhão em 2023.

CHINA E 5G

Sergio Souza declarou que a Frente Parlamentar da Agropecuária quer que a tecnologia de internet 5G seja instalada no país o mais rapidamente possível, mas que não discutirá se o ideal é ter ou não equipamentos chineses.

“O que nós queremos discutir dentro dessa nova fase das telecomunicações do país é onde que nós queremos a nossa banda para o agro. Nós temos, por exemplo, aquela banda dos 700 mhz, que era utilizada pelos canais analógicos, para a gente colocar a internet de forma mais veloz lá no campo”, declarou.

“Hoje, com a internet das coisas, nós plantamos com altíssima tecnologia. Dá para você dizer qual semente foi colocada em qual espaço territorial, se ela teve desenvolvimento ou não e se ela vai precisar de mais adubo no ano que vem”, disse o deputado.

Poder360 perguntou se a retórica contra a China de pessoas ligadas ao governo federal, como o ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente da República, afetam o agronegócio. Os chineses são os principais compradores da produção rural brasileira.

“Não diria que afeta o agronegócio, mas as nossas relações, quanto melhor forem com os países que são nossos parceiros, melhor vai ser para o mercado”, disse Sergio Souza.

Na 3ª feira (27.abr.2021) o ministro Paulo Guedes (Economia) atacou o país asiático. Disse, sem saber que estava sendo gravado: “O chinês inventou o vírus [da covid-19], e a vacina dele é menos efetiva que a do americano”.

REFORMA TRIBUTÁRIA

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), estabeleceu que até 2ª feira (3.mai.2021) o relator da reforma tributária, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), deverá apresentar a versão inicial do texto.

Sergio Souza disse que é importante haver previsibilidade na tributação para o setor rural. Citou um convênio do Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) sobre o ICMS de insumos agropecuários.

“Todo ano tem que votar no Confaz o convênio 100 e outros. Isso causa um desgaste, uma insegurança muito grande para o produtor”, declarou.

“Imagina se você vai fazer o planejamento de safra para 2 anos para adquirir insumos. Aí no meio muda a taxa, o imposto”, disse o presidente da FPA.

Também afirmou que há interesse da sociedade na desoneração da cesta básica que existe atualmente. “Fica para o agricultor? Não. Isso é para o consumidor”, declarou. “Os mais abastados e os menos abastados neste país têm o mesmo benefício”, disse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: