Boulos: ‘Nossas diferenças na esquerda são muito menores do que as nossas diferenças com Bolsonaro’

Reprodução de vídeo

Depois de disputar a eleição presidencial de 2018 e a Prefeitura em 2020 – quando chegou ao 2° turno –, o líder do MTST, Guilherme Boulos, de 38 anos, se consolidou como um líder nacional do PSOL. Cotado para representar o partido novamente numa disputa presidencial, Boulos reconhece que a volta do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao cenário eleitoral “altera o jogo” para 2022. “A política que eu e muita gente no PSOL defende é de construir unidade. Não dá para ter táticas eleitorais como se o Brasil estivesse andando normalmente”, disse em entrevista ao Estadão.

Boulos costuma ter um discurso leal a Lula e participou do pronunciamento e entrevista do ex-presidente na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC após ele restabelecer seus direitos políticos. Sobre Ciro Gomes (PDT), o dirigente do MTST afirmou que esse é o momento de todos da esquerda “colocarem a bola no chão”. E concluiu: “Tem que ter juízo e responsabilidade política de colocar os projetos pessoais em segundo plano diante da necessidade do País superar este pesadelo”.

O PSOL pela primeira vez trava um debate interno sobre a possibilidade de apoiar Lula em 2022. Como a entrada do ex-presidente no tabuleiro eleitoral muda o cenário para a esquerda?

Esse debate sobre 2022 ainda não começou no PSOL. Isso vai acontecer no processo congressual do partido, que deve ser no início do segundo semestre. Nosso foco agora é debater 2021. Temos dramas fortes este ano. O foco da nossa atuação política neste momento é construir uma unidade de ação da oposição para enfrentar os dilemas de 2021. É claro que isso tem impacto nas eleições de 2022.

Como o restabelecimento dos direitos políticos do Lula modifica a correlação de forças na esquerda?

O Lula é, sem sombra de dúvidas, a maior liderança da esquerda brasileira. Isso altera o jogo. Nós vimos o que aconteceu na semana passada, as reações do Bolsonaro. A retomada dos direitos políticos dele foi um ato de reparação. Ninguém no Brasil, nem a velhinha de Taubaté, acredita mais no processo conduzido pelo (Sérgio) Moro. Foi uma farsa judicial para tirar o Lula das eleições de 2018. Mas o foco para nós agora é discutir uma unidade da oposição em 2021, o que facilita muito a construção de uma unidade para 2022. A política que eu e muita gente no PSOL defende é de construir unidade. Não dá para ter táticas eleitorais como se o Brasil estivesse andando normalmente. Existe um risco democrático real. O Brasil está em pandareco em termos econômicos e sociais. Isso exige de nós uma responsabilidade histórica para buscar unidade para superar este pesadelo do Jair Bolsonaro.

É cedo para falar em 2022, mas todo mundo já está falando. A entrada do Lula no cenário tem potencial para reunir a esquerda em torno dele?

Eu defendo uma unidade da esquerda desde agora. Defendo uma mesa de salvação nacional em defesa da vacinação e de um auxílio emergencial com dignidade para que as pessoas não passem fome. Essa unidade se constrói desde já e eu defendo que ela se traduza em uma unidade da esquerda e centro-esquerda em 2022.

O sr. estava no Sindicato dos Metalúrgicos quando Lula foi preso e quando deu a primeira entrevista após ter os direitos políticos restabelecidos. Essa é uma sinalização de que o PSOL está mais próximo do ex-presidente e do PT do que em outros momentos desde sua fundação?

Quando Lula foi preso no Sindicato dos Metalúrgicos nós estivemos lá. O PSOL esteve nas manifestações contra o impeachment da Dilma em 2016. A conjuntura do Brasil mudou. O Bolsonaro é presidente do Brasil. Num momento como esse é evidente que aquilo que a oposição tem de unidade se coloque à frente das diferenças. As nossas diferenças internas na esquerda são muito menores do que as nossas diferenças com o Jair Bolsonaro. O ambiente para a unidade é muito maior agora do que foi em outros momentos.

Onde o Ciro Gomes entra nessa equação?

Espero que ele entre. Temos conversado com várias lideranças do campo progressista. Eu e o Juliano Medeiros, presidente do PSOL, conversamos recentemente com o (Carlos) Lupi, presidente do PDT. Tenho conversado com a Marina Silva (Rede), Gleisi (Hoffmann), presidente do PT, (Fernando) Haddad. Flávio Dino (PCdoB) e outras referências do campo progressista. O que eu defendo é uma unidade do campo progressista em geral. Espero que o Ciro possa fazer parte dela, mas isso depende hoje muito mais de gestos e da disposição dele do que da nossa em acolher.

Essa postura belicosa do Ciro Gomes em relação ao PT e ao Lula atrapalha essa aproximação?

Esse é o momento de todos do campo progressista colocarem a bola no chão. Tem que ter juízo e responsabilidade política de colocar os projetos pessoais em segundo plano diante da necessidade de o País superar este pesadelo.

Historicamente o PSOL resiste em ampliar seu arco de alianças. Até onde essa frente pode ir além do campo da esquerda? Cabem partidos do Centrão, por exemplo, nesse projeto?

Eu não acredito em aliança com a centro-direita. Eles não querem. Alguém acha que a centro-direita vai se unir em torno de um projeto progressista para o Brasil? Existe um corte que é a agenda econômica. Essa turma do Centrão votou pelo teto de gastos, reforma trabalhista, da Previdência e defende essa política de ajuste fiscal que está sangrando o povo brasileiro. Há uma unidade agora em defesa da vacinação e contra o negacionismo. Neste momento cabem todos, mas numa eleição o que está em jogo não é apenas contra quem você está, mas um projeto para o Brasil. A centro-direita brasileira tem mais identidade com a agenda econômica do Bolsonaro.

Mas o bloco de partidos do Centrão esteve com Lula em 2006 e apoiou o 1° governo dele. É admissível na sua opinião que esse consórcio de partidos esteja numa coligação liderada por Lula em 2022?

Essa é uma falsa questão. O Centrão está no barco do Bolsonaro e tudo indica que vai marchar com ele em 2022. A eleição para presidência da Câmara mostrou isso de forma contundente.

Lula escalou emissário para fazer pontes com João Doria (PSDB) e governadores para entrar no debate da pandemia. É um movimento correto do ex-presidente?

Diálogo não arranca pedaço de ninguém. Ainda mais num momento grave como esse. Dito isso, o Doria representa um projeto antipopular, que não tem a mínima empatia com quem sofre. Doria é puro marketing.

Como avalia a gestão do governador João Doria na pandemia?

O Doria teve o mérito de não ser negacionista. É lamentável que isso seja um mérito no Brasil. Defendeu o isolamento social e estimulou o Instituto Butantan na busca pela vacina. Mas não se criou as condições para que de fato as pessoas pudessem garantir o isolamento durante a pandemia. Num momento como esse, deve-se garantir apoio econômico. O governo de São Paulo poderia ter feito um auxílio próprio.

Acredita que uma unidade da esquerda pode se repetir nos estados no ano que vem?

Sem dúvida. A discussão da uma unidade do campo progressista não pode ser apenas uma mesa nacional. Isso tem que se capilarizar nos Estados. Se não houver palanques fortes em São Paulo, Minas Gerais, Rio e Estados importantes no ponto de vista do porcentual do eleitorado nacional será muito difícil ganhar a eleição presidencial.

No Rio de Janeiro o deputado Marcelo Freixo é o nome da aliança?

Claro. O Freixo é um quadro do PSOL. ficou duas vezes em 2° lugar na eleição municipal do Rio de Janeiro.

Nesta construção para 2022, avalia que o PSOL precisa flexibilizar seu discurso e as barreiras que sempre impôs para fazer alianças com outros partidos? Em todas as eleições desde a fundação do partido, o PSOL saiu sozinho ou com partidos pequenos de esquerda…

A realidade é diferente. Não estamos em uma situação de normalidade. Isso coloca a unidade da esquerda na ordem do dia. Essa compreensão hoje é bastante ampla dentro do PSOL. O partido vai fazer o debate interno e fazer o seu congresso, mas eu defendo que o partido possa compor unidade.

O PSOL está mais flexível hoje do que era na sua fundação ou há um choque de gerações no partido?

O Brasil mudou. Quando o PSOL surgiu, o Lula era presidente do Brasil. O partido surgiu como oposição de esquerda. Nos últimos 6 anos, houve um golpe parlamentar, uma prisão a partir de uma farsa jurídica e o Bolsonaro se elegeu presidente do Brasil. Estamos no meio de uma pandemia com 14 milhões de desempregados. É evidente que esse cenário faz com que o partido tenha que responder a realidade concreta, que exige um espírito de unidade maior.

Alguns partidos como o PSB e o Cidadania buscam nomes ‘outsiders’, de fora da política, como Luciano Huck, para a disputa presidencial do ano que vem. O que acha dessa estratégia?

Não acho que Luciano Huck será candidato. Ele vai pegar o Domingão do Faustão. Temos que discutir que projetos esses nomes representam. O quadro que temos no País tende a levar a uma polarização no processo eleitoral entre o Bolsonarismo e o campo de esquerda.

Por campo de esquerda se entende Lula como candidato, certo?

Temos 600 dias. A situação jurídica do Lula ainda vai ser julgada no Supremo. Tem toda uma discussão de construção entre os partidos de esquerda. (Pedro Venceslau/Agência Estado)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: