Bolsonaro após 4 mil mortes: ‘Não vai ter lockdown’

Um dia após o Brasil registrar 4,2 mil mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) criticou nesta quarta-feira (7) a adoção de medidas restritivas para tentar frear o avanço da doença no Brasil e afirmou que não haverá um lockdown nacional. A declaração foi dada durante uma visita a Chapecó, no Oeste catarinense.

As ações para restringir a circulação de pessoas têm sido defendidas por autoridades sanitárias para enfrentar a pandemia no país, que vive seu maior pico e responde hoje por um em cada três mortos pelo novo coronavírus no mundo.

“Seria muito mais fácil a gente ficar quieto, se acomodar, não tocar nesse assunto, ou atender, como alguns querem, que eu posso fazer, o lockdown nacional. Não vai ter lockdown nacional”, afirmou Bolsonaro.

Para ele, é preciso buscar “alternativas” às medidas de distanciamento social, como o fechamento do comércio. “Vamos buscar alternativas, não vamos aceitar a política do fique em casa, feche tudo, lockdown. O vírus não vai embora. Esse vírus, como outros, vieram pra ficar, e vão ficar a vida toda. É praticamente impossível erradicá-lo”.

Presidente Jar Bolsonaro ao lado de autoridades de Santa Catarina em visita ao Oeste catarinense nesta quarta-feira (7) — Foto: Leandro Schmidt/ Prefeitura de Chapecó/Divulgação

Na visita a Chapecó, cidade comandada pelo prefeito João Rodrigues (PSD), que tem discurso alinhado ao de Bolsonaro em relação à pandemia, nenhuma medida nova foi anunciada.

Bolsonaro estava acompanhado dos ministros Marcelo Queiroga (Saúde), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Onyx Lorenzoni (Secretaria Geral) e Carlos França (Relações Exteriores).

Em encontro realizado no Centro de Eventos, o presidente discursou a favor do chamado “tratamento precoce”, com o uso de medicamentos sem eficácia comprovada contra a doença e que, segundo a Associação Médica Brasileira, deveriam ter seu uso contra a Covid banido.

“Eu não sei como salvar vidas, eu não sou médico, não sou enfermeiro, mas eu não posso escolher a liberdade do médico ou até mesmo do enfermeiro. Ele tem que buscar uma alternativa para isso”, afirmou.

Por diversas vezes na sua fala, o presidente reiterou que os médicos tenham autonomia e liberdade para escolher o tratamento a ser aplicado, inclusive com medicamentos sem comprovação para a doença.

“Não podemos admitir impor limites ao médico. Se o médico que não quer receitar aquele medicamento, que não receite. Se outro cidadão qualquer acha que aquele medicamento não está errado… não está certo porque não tem comprovação científica, que não use, é liberdade dele. O off-label, fora da bula, é o remédio ‘pro’ paciente. Hoje, têm aparecido medicamentos que ainda não estão comprovados, que estão sendo testados, e o médico tem essa liberdade. Tem que ter. É um crime querer tolher a liberdade de um profissional de saúde”, disse.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, foi na mesma linha do presidente. Ele relacionou a autonomia dada aos médicos à recuperação dos pacientes e disse que Chapecó poderia servir de exemplo.

“Aqui em Chapecó, no estado de Santa Catarina, que tem um sistema muito organizado, nós podemos ter um exemplo que é possível conciliar a autonomia do médico com a recuperação dos nossos pacientes”, afirmou.

Sem mencionar o colapso no sistema de saúde local, o prefeito da cidade, ao discursar, disse que o vírus estava “sob controle” e omitiu que o município chegou a suspender as atividades não essenciais por duas semanas em fevereiro.

Bolsonaro durante visita em Chapecó, no Oeste catarinense, nesta quarta-feira (7) — Foto: Leandro Schmidt/ Prefeitura de Chapecó/Divulgação

Aceleração da pandemia em 2021

Apesar dos elogios do ministro e de Bolsonaro pelo trabalho de combate ao coronavírus, a cidade de Chapecó soma mais mortos pela Covid-19 do que a média nacional e estadual. A taxa de mortalidade por 100 mil habitantes da doença no município é de 240,6, enquanto no Brasil é de 160,3. Já em Santa Catarina, o índice está em 161,2. Os dados são do Ministério da Saúde desta quarta-feira (7).

Das 339 mortes registras pela doença até a noite de terça-feira (6), 76% ocorreram em 2021. Foram 415 óbitos entre janeiro e abril. Desde o início da pandemia até dezembro de 2020 o município havia registrado 124 mortes.

Com o colapso na saúde, o município de 224 mil habitantes suspendeu as atividades não essenciais por 14 dias no fim de fevereiro. Alguns serviços, como restaurantes e mercados, que puderam ficar abertos tiveram mudanças no horário de funcionamento e redução da capacidade de clientes.

Nas últimas semanas, a cidade registrou diminuição do número de casos ativos de coronavírus e de pacientes com a doença na fila por UTI. O prefeito Rodrigues atribuiu a melhora da situação da pandemia à testagem rápida, tratamento imediato e medidas de restrição e fiscalização.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

“Nós tratamos imediatamente todos os pacientes com a testagem rápida que fizemos. Nós não fizemos lockdown em Chapecó, nós fizemos uma paralisação parcial da cidade por 14 dias em fevereiro para montar os equipamentos. Então, tudo tem ajudado”, defendeu Rodrigues.

Em 5 de março, a cidade tinha 3,2 mil casos ativos da doença. Na segunda (5), eram 620 pessoas em tratamento, segundo o governo estadual.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: