fbpx

Bolívia investiga se houve participação de Brasil e Chile na queda de Morales

O governo boliviano anunciou nesse sábado (16.jul.2021) que está investigando se o Brasil e o Chile tiveram algum tipo de participação nas manifestações que aconteceram no país em 2019, logo depois da renúncia do ex-presidente Evo Morales. O porta-voz do governo, Jorge Richter, disse que serão averiguadas relações que possam ter existido, mas não deu mais detalhes.

O atual presidente, Luís Arce, afirmou na última semana que a queda de Evo em 2019 foi, na verdade, um golpe de estado. Segundo ele, a iniciativa foi apoiada por diversos governos e ONGs internacionais. Arce também acusa Equador e Argentina de enviarem armas e equipamentos ao país.

A divulgação da investigação foi feita por Richter durante entrevista a uma rádio. Ele falava sobre denúncias feitas na semana passada contra o governo do ex-presidente argentino, Mauricio Macri.

O ministro das relações exteriores da Bolívia, Rogelio Mayta, afirmou que o ex-presidente da argentina Mauricio Macri (2015-2019) forneceu munição ao governo provisório da direitista Janeine Añes para reprimir protestos durante a crise de 2019, que destituiu o então presidente boliviano Evo Morales. Uma acusação semelhante foi feita ao governo equatoriano de Lenín Moreno.

Manifestações tomaram as ruas da Bolívia depois que Morales disputou um 4º mandato. Ele governava o país desde 2006. A sua renúncia foi forçada por acusações de fraude na eleição e pressão das Forças Armadas e de movimentos civis.

Morales deixou a Presidência em 10 de novembro de 2019 e saiu do país. Ele passou algumas semanas no México e depois foi para a Argentina, onde foi recebido pelo presidente Alberto Fernández.

Os protestos deixaram 35 mortos, segundo investigação da CIDH (Comissão Interamericana de Direitos Humanos).

A então senadora Janine Añez se aproveitou de uma brecha na lei boliviana para assumir o cargo, pois todos da linha de sucessão renunciaram com Morales.

Na época dos protestos, Jair Bolsonaro já era o presidente do Brasil. Ele imediatamente reconheceu Añez como mandatária do país.

Em março deste ano, a ex-presidente interina da Bolívia foi presa sob acusações de conspiração. Luís Arce assumiu o cargo depois de vencer as eleições gerais de 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: