Bahia x Fluminense marca o duelo dos únicos zagueiros titulares que estão zerados de cartão na Série A

Bahia x Fluminense desta quarta-feira vale: a proximidade da vaga na Libertadores; o distanciamento da zona de rebaixamento; e, por que não, um troféu simbólico de jogo limpo? É que a partida na Arena Fonte Nova, às 21h30 (de Brasília), vai marcar o duelo dos únicos zagueiros titulares que não levaram nenhum cartão ainda no Campeonato Brasileiro, considerando os defensores que mais jogaram por cada um dos 20 clubes da Série A*: Ernando e Luccas Claro.

Coincidentemente, os dois chegam para a rodada com o mesmo número de jogos como titular: 25 cada um – Luccas Claro tem uma partida a mais, mas foi quando ficou no banco e entrou nos minutos finais justamente no Fluminense x Bahia do primeiro turno. Em um campeonato onde as suspensões por três amarelos prejudicam bastante os times, eles nunca estiveram sequer pendurados. Em recente entrevista coletiva, o zagueiro do Tricolor Carioca disse não ter essa preocupação de não levar cartão:

– Eu não prezo por isso. Tento não tomar (cartão) no início da partida para não jogar o jogo todo pendurado. O que ajuda bastante é o posicionamento da equipe, a bola não chega limpa para o adversário. Tem que estar bem compactado, bem fisicamente e com ritmo ajuda bastante. Quando eu tiver que tomar, vai acontecer. Eu realmente tento é não tomar no início – argumentou.

Outra semelhança entre eles é que costumam ajudar o ataque. Ernando já marcou quatro gols desde que chegou ao Bahia: foram três em 2019 e um em 2020. Luccas Claro, que também tem o mesmo período de Fluminense, já estufou a rede seis vezes, todas na atual temporada.

No comparativo da temporada, somando todas as competições e amistosos, Ernando passou em branco para a arbitragem nas 33 partidas que disputou até aqui. Já Luccas Claro recebeu dois amarelos ao longo dos 37 jogos de 2020/21: um na vitória por 2 a 0 sobre a Portuguesa no Campeonato Carioca, e outro no triunfo por 1 a 0 sobre o Atlético-GO na Copa do Brasil.

Ernando: versatilidade e perseverança

Titular nos últimos 10 jogos do Bahia, Ernando é uma das peças mais regulares de uma defesa de mais baixos que altos no Brasileiro – é a segunda mais vazada do campeonato com 54 gols sofridos, só à frente do Goiás, com 57. E por mais curioso que seja, o experiente zagueiro de 32 anos começou a se firmar quando passou a ser improvisado, ainda no período de Mano Menezes técnico do Bahia.

Ernando ajudou a parar o artilheiro Cano e companhia contra o Vasco — Foto: André Durão / ge

À época, incomodado com a série de gols que o time sofria e com Nino Paraíba em má fase, o treinador deslocou o zagueiro para a lateral. Ernando foi bem na função, inclusive contribuindo com assistência na vitória sobre o Vasco e, por isso, foi mantido em alguns jogos. Ele, porém, se machucou e, ao voltar, reassumiu a posição de origem, como zagueiro, onde disse que se sente mais à vontade.

E em meio à instabilidade do setor defensivo do Bahia, Ernando seguiu como titular, mesmo com a saída de Mano e a chegada de Dado Cavalcanti, e se tornou uma das peças centrais do treinador. Tanto que Juninho, que por muito tempo formou a dupla de zaga titular com Lucas Fonseca, perdeu a posição. Após parar Cano e o ataque do Vasco domingo, tentará repetir a dose contra o Fluminense.

Luccas Claro: força física e regularidade

Diferentemente de Ernando, que chegou e logo mostrou serviço no Bahia, Luccas Claro precisou de paciência para conseguir vingar no Fluminense. Após ser contratado sob desconfiança da torcida em setembro de 2019, entrou em campo apenas duas vezes na temporada. Mas os desfalques de Nino e Digão no início e 2020 abriram espaço para uma segunda chance. E ele agarrou com unhas e dentes.

Luccas Claro tem sido o jogador mais regular do Flu no Brasileiro — Foto: Lucas Merçon / Fluminense FC

No auge do seu condicionamento aos 29 anos, Luccas Claro fez de sua força física o seu diferencial: com explosão, consegue levar a melhor na velocidade sobre a maioria dos atacantes no mano a mano. E consegue dar o bote no momento certo para não fazer faltas e levar cartão. Zagueiro-artilheiro nas bolas paradas, conquistou a torcida e se tornou o jogador mais regular do Fluminense.

Embora não tenha uma versatilidade como a de Ernando, que também faz a lateral, ele também pode ser considerado um “coringa” por atuar nos dois lados da zaga. Quando joga com Matheus Ferraz, atual pela direita. Com Nino, vai para a esquerda, lado onde o time vinha sofrendo muitos gols, mas nos últimos dois jogos a defesa passou intacta. E Luccas Claro terá a missão de manter a média.

*Obs: os outros zagueiros que não levaram cartão, mas jogaram menos que 40% das partidas até aqui no Brasileiro são: Wagner Leonardo (Santos), com 11 jogos; Luiz Felipe (Santos), com 10 jogos; Werley (Vasco), Gabriel Lacerda (Ceará), e David Sousa (Botafogo), trio com oito jogos; Klaus (Ceará), com sete jogos; Jemerson (Corinthians), com quatro jogos; Ruan (Grêmio), com três jogos; e Helerson (Botafogo), Danilo (Atlético-GO), Gustavo Henrique (Atlético-MG), Haydar (Bragantino), Otávio (Flamengo), Raul (Corinthians) e Derick (Santos), todos com só um jogo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: