Autópsia em mortos do Jacarezinho contradiz depoimento de policiais

Dois policiais que participaram da Operação no Jacarezinho disseram, em um 1º depoimento, que dispararam apenas uma vez contra Isaac Pinheiro de Oliveira e outra contra Richard Gabriel da Silva Ferreira. Mas a necropsia indica que eles foram atingidos por 4 e 6 disparos, respectivamente.

Depois que os laudos ficaram prontos, os policiais mudaram seus relatos e não especificaram a quantidade de tiros nem o tipo de armas que usaram. As informações foram divulgadas pelo jornal O Globo nesta 2ª feira (5.jul.2021).

A Operação na comunidade do Jacarezinho, zona norte do Rio de Janeiro, foi realizada em 6 de maio. Deixou 28 mortos e é considerada a ação mais letal da história do Estado.

OS DEPOIMENTOS

Os inspetores Alexandre Moura de Souza e Amaury Sérgio Godoy Mafra, da Core (Coordenadoria de Recursos Especiais), prestaram depoimento ainda em 6 de maio. Os dois afirmam que entraram na casa onde os jovens estavam em busca de traficantes em fuga, seguindo alerta de moradores.

Souza diz atirou uma vez em Richard com sua pistola para “se defender”. Ele teria visto o rapaz armado e tentando sair da casa. Mafra afirma que se colocou ao lado do colega e viu Isaac empunhando uma pistola e, também para “se defender”, atirou uma vez com seu fuzil.

OS LAUDOS

A análise dos peritos indicam que Richard foi alvo de 6 “projéteis de alta energia” –ou seja, compatíveis com fuzil, e não com uma pistola, como Souza afirmou.

Já o corpo de Isaac tinha lesões compatíveis com 4 disparos de “projéteis de baixa energia”, indicando que o rapaz fora baleado por uma pistola, e não por fuzil.

RETIFICAÇÃO

Os 2 policiais alteraram seus depoimentos em 13 de maio, depois que os laudos estavam prontos. No novo relato, os policiais não especificaram o nome dos alvos, o número de tiros e nem o tipo de arma que usaram nos disparos. Souza admitiu ter atirado mais de uma vez.

Os 2 também disseram que não conseguiram perceber se os rapazes atiraram contra eles “pela rapidez da ação”. A perícia no local não encontrou marcas de tiros no sentido oposto, indicando que não houve troca de tiros.

Parentes de Issac e Richard afirmam que os dois faziam parte do tráfico de Jacarezinho, mas que eles foram executados.

Denise da Silva,  mãe de Isaac, diz que os 2 foram “pegos vivos”. A Polícia Civil se recusou a comentar o caso antes do final das investigações para evitar “qualquer antecipação”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: