fbpx

Flordelis afirma que Lira e aliados descumpriram promessa de ajudá-la a não perder mandato

Às vésperas da votação que definirá seu futuro no Congresso Nacional, a deputada federal Flordelis (PSD-RJ) se prepara para um discurso na tarde desta quarta-feira em que pretende expor os bastidores da eleição de Arthur Lira (PP-AL) para a presidência da Câmara em fevereiro. Acusada pelo Ministério Público do estado do Rio do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo, em 2019, a parlamentar afirmou, em áudios enviados ao EXTRA, que aliados de Lira, como o deputado federal Hugo Leal (PSD-RJ), prometeram que haveria “ajuda” no Conselho de Ética da Casa se ela votasse no deputado do PP na disputa contra Baleia Rossi (MDB-SP). Procurados, Lira e Hugo Leal negam que tenham feito qualquer sinalização de benefícios para a deputada.

O parecer da Comissão de Ética da Câmara dos Deputados, que pede a cassação de Flordelis, será julgado pelo plenário da Casa nesta quarta-feira.A defesa da deputada entrou com mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) nessa terça-feira para impedir a realização da sessão alegando irregularidades no processo que se encerrou em junho na comissão. Flordelis é acusada do homicídio do marido ao lado de outras sete pessoas, entre elas seis filhos. O MP-RJ aponta como evidências de que a deputada participou do crime a descoberta de uma trama para tentar atrapalhar as investigações, mensagens trocadas por ela com um de seus filhos, além do depoimento de testemunhas relatando que a deputada desejava a morte do marido.

Flordelis tornou público o seu apoio a Lira em janeiro, após um encontro no Palácio Guanabara em que o deputado do PP posou para fotos com o governador Cláudio Castro e parte da bancada do Rio. Segundo os áudios enviados por Flordelis ao EXTRA, todos os deputados que apoiaram Lira em sua eleição para presidência da Câmara tiveram como promessa receber como contrapartida emendas parlamentares extra. Em seu caso, segundo a deputada, o acordo incluía também ajuda em seu processo de cassação.

– Eles me ligaram do meu partido para que eu pudesse apoiar a eleição do Lira para presidente. Hugo Leal me deu a palavra dele de que me ajudaria nesse processo de cassação. Isso não está correto porque houve negociação. Negociação de emenda e acordos para que eles me ajudassem porque sabem que eu não cometi nenhuma quebra de decoro parlamentar.

Depois da conversa com Hugo Leal, Flordelis afirma ter recebido um telefonema do próprio Lira, com quem também alega ter falado pessoalmente no encontro do Palácio Guanabara. Ela afirma que o atual presidente da Câmara prometeu olhar “com carinho” para o seu caso assim que assumisse. Nos áudios enviados ao EXTRA, a deputada ainda reclama da falta de apoio do seu partido, o PSD, que a suspendeu em agosto do ano passado, logo após ter virado ré na Justiça.

– Eu fui a única mulher eleita do partido e eles me trataram como lixo, como nada. Iam me ajudar nesse processo de cassação e isso não está acontecendo. Pelo contrário, estão acelerando meu processo de cassação. Por que será que eles estão fazendo isso?

Procurado, Lira informou que esteve com Flordelis no Palácio Guanabara, mas que jamais tratou com ela do seu processo de cassação na Câmara. Hugo Leal informa que trabalhou para que toda a bancada do PSD fluminense votasse em Lira, mas que em nenhum momento propôs qualquer acordo para a deputada.

– É mentira. Nunca prometi nada a ela. – afirma Lira. – Não teve qualquer acordo com Flordelis – completa Hugo Leal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: