fbpx

Após atos, Bolsonaro discute com ministros como reagir ao STF e à inflação

Pressionado pelas reações que condenaram suas falas antidemocráticas nas manifestações de 7 de setembro, Jair Bolsonaro não demonstrou disposição em fazer recuos na sua cruzada contra a Corte. Em reunião com ministros na manhã desta quarta, o presidente discutiu possibilidades de reagir às decisões judiciais e também demostrou preocupação com a alta da inflação. Em discurso aos apoiadores no ato em São Paulo, Bolsonaro disse que não vai mais cumprir determinações do ministro Alexandre de Moraes, responsável pelo inquérito das Fake News, e chamado por ele de “canalha”.

No dia seguinte às manifestações, Bolsonaro demonstrou confiança de que as ameaças de abertura do processo de impeachment de no Congresso não devem avançar já que o presidente acredita ter demonstrado força ao colocar a militância nas ruas. O presidente então usou a reunião com seus subordinados para pedir “humildade”. Incomodado com as repercussões, o presidente reforçou que não quer demitir seus ministros, mas que precisa que todos trabalhem coordenados para solucionar os problemas que o País vem enfrentando.

A primeira reunião ministerial após as manifestações foi uma das mais longas. Em meio às declarações, ministros fizeram uma pausa para ouvir o discurso do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), que pedia um “um basta” à escalada da crise entre Poderes e se ofereceu para mediar o conflito entre Executivo e Judiciário. Sem conseguir acessar o discurso pela televisão, Bolsonaro e os ministros assistiram às falas pelo celular.

Após ouvir, Bolsonaro elogiou o aliado. O presidente gostou do que considerou de tom respeitoso que Lira usou no discurso. Em discurso gravado, Lira evitou citar qualquer possibilidade de impeachment. Em outras duas ocasiões, também em momentos sensíveis para o governo, o presidente da Câmara citou a figura alegórica de um “botão amarelo”. O mecanismo estaria sendo “apertado” por Lira: um aviso de que ele poderia tomar uma atitude drástica.

Ao longo do dia de ontem o clima no Palácio do Planalto era de tensão principalmente após o discurso do presidente do STF, Luiz Fux, que afirmou que o desprezo às decisões judiciais, “além de um atentado à democracia, configura crime de responsabilidade.” O pronunciamento foi visto como um recado que o governo não terá vida fácil e que, embora Lira tenha se colocado como uma ponte para conciliação entre Executivo e Judiciário, não terá êxito.

À tarde, Lira e o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, estiveram no Supremo Tribunal Federal para uma reunião com o ministro Gilmar Mendes. Nogueira, responsável pela articulação política e institucional, não compareceu aos atos de 7 de Setembro justamente porque tem tentado atenuar o desgaste em meio à escalada da crise motivada pelas falas de Bolsonaro.

A pauta econômica dominou boa parte da reunião ministerial. As críticas apontadas à condução a economia pelo ministro Paulo Guedes o deixaram irritado e não participou do seleto grupo que almoçou com o presidente após a reunião. O ministro tem sido alvo de reiteradas críticas por não conseguir conter a alta da inflação. Para tentar impedir que a popularidade de Bolsonaro derreta com a crise econômica, um ministro sugeriu aumentar para R$ 300 o novo Bolsa Família.

Os mininistros foram convocados para a reunião do Conselho de Governo após o presiednte dizer na manifestação que convocaria o Conselho da República, integrantes do Palácio do Planalto alegaram que o presidente se “equivocou” ao mencionar o colegiado que, entre outras atribuições, discute “estabilidade das instituições democráticas de direito”.

Convocado pelo presidente, o conselho tem a atribuição de deliberar sobre a decretação de medidas radicais, como intervenção federal, estados de defesa e sítio, além de discutir questões relevantes para a estabilidade das instituições democráticas. Tais instrumentos, no entanto, precisam do aval do Congresso para serem postas em prática.

Criado em 1988, o Conselho da República só se reuniu uma vez, 30 anos depois. Isso ocorreu durante o governo de Michel Temer para discutir a intervenção federal no Rio, ocorrida em 2018. Na ocasião, foi nomeado interventor o atual ministro da Defesa, Walter Braga Netto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: