Apenas 13% dos municípios brasileiros possuem UTI para pacientes com covid

Dados do CNES (Conselho Nacional de Estabelecimentos de Saúde) mostram que, em fevereiro, apenas 13,3% das cidades brasileiras tinham capacidade de atendimento de alta complexidade para covid-19. Ou seja, só 741 dos 5.570 municípios possuem esse tipo de UTI.

A situação não é melhor quanto ao número de cidades com capacidade para atender mais de 10% dos habitantes que precisaram de internação, independentemente do grau de gravidade da doença. São 2.085 municípios. Ou, 37,4% do total.

Os dados servem de base para a nota técnica “Redes de Atenção à Saúde para Covid-19 e os desafios das esferas governamentais: Macrorregiões de Saúde e a curva que devemos ‘achatar’”, da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz). Eis a íntegra (2 MB).

Esses números apontam que, decisões isoladas em alguns municípios podem, além de trazer a aumento de casos nesses municípios, provocar a ocupação dos leitos compartilhados dentro dessa rede de atenção à saúde, deixando toda a população dessa rede sem atendimento e consequentemente demandando pacientes para as redes vizinhas”, diz a fundação.

Divulgação/Fiocruz

Observa-se que, com exceção do estado do Rio de Janeiro, as demais Unidades da Federação apresentam elevada concentração de oferta de leitos de UTI em poucos municípios. Desse modo, vários municípios dependem dos mesmos leitos de UTI para atendimento”, lê-se no texto.

Segundo o órgão, as conexões de saúde têm sido quase sempre ignoradas em ações de contenção da pandemia. A Fiocruz defende a importância de decisões compartilhadas e coordenadas entre as diferentes esferas governamentais.

Divulgação/Fiocruz

Divulgação/Fiocruz

A fundação destaca que, durante a pandemia, a regra foi que o brasileiro infectado com o novo coronavírus precisou se deslocar de sua cidade para conseguir atendimento.

“Em áreas de fronteira entre alguns Estados, a circulação de pessoas vai além dos limites territoriais das UFs, o que demanda decisão compartilhada entre estes Estados com apoio do governo Federal”, afirmou a Fiocruz.

A Fiocruz defende que “nenhum município é completamente independente”. Por isso, “medidas isoladas podem causar ainda mais desorganização no sistema de saúde”.

Ou seja, não adianta um prefeito decretar medidas de restrição se os moradores de cidades vizinhas não estiverem sob as mesmas regras.

Mesmo os maiores municípios, que em geral detêm toda a estrutura de atendimento para procedimentos de alta complexidade, fazem parte de uma rede que atende outros municípios que a compõem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: