Aos 67 anos, morre o cantor português Roberto Leal

O cantor Roberto Leal Foto: Divulgação

Morreu na madrugada deste domingo, no Hospital Samaritano, em São Paulo, o cantor português Roberto Leal, vítima de melanoma, um tipo maligno de câncer de pele, anunciou a assessoria de imprensa do intérprete. A informação, primeiramente veiculada pelo jornal lusitano “O Público”, foi confirmada pelo político patrício José Cesário, amigo do artista, que publicou a notícia em sua página do Facebook: “Hoje acordamos com um enorme choque. O nosso amigo, grande Português no Brasil e no Mundo, António Joaquim Fernandes, o grande Roberto Leal, acabou de falecer. A tristeza é enorme! Portugal e o Brasil estão de luto.”

Leal nasceu em 1951, na aldeia de Vale da Porca, no norte de Portugal. Ele emigrou para São Paulo aos 11 anos, acompanhado pelos nove irmãos e pelos pais. Na maior cidade do Brasil, o português trabalhou como sapateiro e vendedor, antes de se lançar na vida artística, nos anos 1970.

Bastante atuante na telinha, Leal foi convidado de dezenas de programas das mais diversas emissoras brasileiras e portuguesas. Em 2000, o intérprete lançou pela gravadora EMI o CD “Roberto Leal canta Roberto Carlos”, um dos discos mais vendidos da companhia.

No fim da década de 1980, passou a morar em Portugal e chegou a ter um programa de televisão pela RTP1. Em 1998, voltou a viver no Brasil com a família, mas costumava passar períodos naquele país.

Em 2011, em sua terra natal, ele participou da sitcom “Último a sair”, série de comédia da RTP1 que simulava um reality show. O programa foi acompanhado no Brasil pelas redes sociais.

Capa do disco "Forrandovira", de 1998, que contou com participação de Elba Ramalho, entre outros Foto: Divulgação

Repertório romântico

Durante quase meio século de carreira, o cantor, marcado por um repertório romântico e popular, acumulou sucessos como “Arrebita” e “Bate pé” — ambas parodiadas pelos Mamonas Assassinas em “Vira-vira” —, vendendo mais de 15 milhões de discos.P

Roberto Leal disse que se sentiu homenageado pela sátira dos Mamonas:

— Os Mamonas não fizeram por mal, eles são meus amigos, eles estão me levando aonde eu não conseguiria chegar sozinho — afirmou, na biografia publicada em seu site oficial.

No total, foram dois álbuns de diamante, cinco de platina e 30 de ouro. Ele gravou mais de 400 canções.

Famoso tanto no Brasil quanto em seu país natal, Leal havia anunciado em janeiro que lutava contra o câncer de pele. O cantor, que estava internado desde a última terça-feira, morreu às 3h37 deste domingo, devido à evolução da doença.

O velório será nesta segunda, em São Paulo, na Casa de Portugal, a partir das 7h. O enterro está marcado para o mesmo dia, às 15h, no Cemitério de Congonhas. O cantor deixa mulher e três filhos. Entre eles, o músico e produtor Rodrigo Leal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: