Ao vivo: CPI da Covid ouve Dimas Covas

A CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado ouve o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, nesta 5ª feira (27.mai.2021).

A comissão investiga o uso do dinheiro federal que foi enviado para cidades e Estados, além de supostas omissões do governo federal no combate à pandemia.

Cada integrante da CPI terá 5 minutos para questionar o diretor. Covas terá 5 minutos para responder. Haverá, se necessário, 3 minutos de réplica e 3 minutos de tréplica.

Segundo o regimento interno da Casa, os 18 integrantes do colegiado têm prioridade para fazer perguntas, embora todos os senadores possam formular questionamentos de 3 minutos.

Assista ao vivo:

AGENDA DA CPI

O ex-ministro Eduardo Pazuello falaria em 5 de maio, mas alegou que não poderia comparecer à audiência por suspeita de covid.

O ex-ministro Luiz Henrique Mandetta foi ouvido em 4 de maio por mais de 7 horas. Ele falou sobre ter alertado o presidente Jair Bolsonaro sobre o colapso na saúde, cloroquina e vacinas.

O também ex-titular da Saúde Nelson Teich falou por cerca de 6 horas à CPI  em 5 de maio. Ele se disse contrário e que considera um erro o uso de cloroquina para tratar a covid-19.

O atual ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse, em 6 de maio, que a solução para a pandemia é a imunização das pessoas. Ele evitou falar sobre cloroquina como tratamento precoce para covid-19

Antonio Barra Torres, diretor-presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), disse, em 11 de maio, que se arrependeu de participar de aglomerações com o presidente Jair Bolsonaro. Também afirmou ser contrário à cloroquina e que as falas do presidente vão na contramão do que pensa a agência.

Em 12 de maio, o ex-chefe da Secom (Secretaria de Governo) da Presidência da República, Fabio Wajngarten, falou por 7 horas. Nesse tempo, ele se contradisse em relação a declarações anteriores e a ações da Secom, o que irritou senadores. O relator, Renan Calheiros (MDB-AL), pediu oficialmente a sua prisão, mas o presidente do colegiado, Omar Aziz (PSD-AM) a negou ao afirmar que não seria “carcereiro de ninguém”.

O ex-presidente da Pfizer no Brasil, Carlos Murillo, disse, em 13 de maio, que o governo brasileiro recebeu 6 propostas para comprar vacinas da Pfizer contra a covid-19 até fechar contrato com a farmacêutica.

O ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo disse, em 18 de maio, que a primeira reunião ministerial em que Bolsonaro citou a compra de vacinas da Pfizer foi em “março ou fim de fevereiro” deste ano, mas que antes disso a aquisição de doses da farmacêutica sequer foi debatida nos encontros dos quais participou.

Em 19 de maio, o ex-ministro Eduardo Pazuello teria passado mal enquanto aguardava o retorno da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid. A reunião estava interrompida por causa da ordem do dia, no plenário do Senado. Pazuello e governistas negam que o ministro tenha passado mal.

Durante a sessão, ele disse que saiu da pasta porque estava com a “missão cumprida”. Quando se despediu do ministério, em 24 de março de 2021, o Brasil alcançou 300 mil mortes por covid-19.

No 2º depoimento para a CPI, em 20 de maio, o ex-ministro Eduardo Pazuello disse não ser o “único responsável” pela situação atual da pandemia no Brasil.

A secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, falou na Comissão da Covid nessa 3ª feira (25.mai). Conhecida pela mídia como “Capitã Cloroquina”, ela defendeu o uso do medicamento, sem comprovação científica conclusiva de eficácia, condicionando-o à avaliação médica sobre a dosimetria e a gravidade da doença em cada paciente.

Na 4ª feira (26.mai), a CPI aprovou requerimentos para convocar 9 governadores, além do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e o atual titular da pasta, Marcelo Queiroga.

Eis a lista:

  • Amapá – Waldez Góes (PDT);
  • Amazonas – Wilson Lima (PSC);
  • Distrito Federal – Ibaneis Rocha (MDB);
  • Pará – Helder Barbalho (MDB);
  • Piauí – Wellington Dias (PT);
  • Rondônia – Marcos Rocha (PSL);
  • Roraima – Antonio Denarium (sem partido);
  • Santa Catarina – Carlos Moisés (PSL);
  • Tocantins – Mauro Carlesse (PSL).

Demais convocados

São eles:

  • Arthur Weintraub, ex-assessor da Presidência;
  • Carlos Wizard, empresário;
  • Daniela Reinehr (sem partido), vice-governadora de Santa Catarina;
  • Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde;
  • Filipe Martins, assessor da Presidência;
  • Luana Araújo, ex-secretária do Ministério da Saúde;
  • Marcelo Queiroga, ministro da Saúde;
  • Paulo Baraúna, empresário;
  • Wilson Witzel (PSC), ex-governador do Rio de Janeiro;
  • Airton Antônio Soligo (ex-funcionário do Ministério da Saúde);
  • Marcos Erald Arnoud (prestou serviços ao Ministério da Saúde).

Eis a agenda da CPI no Senado para a próxima semana:

  • 1 de junho: Nise Yamaguchi, médica oncologista e imunologista;
  • 2 de junho: Clóvis Arns da Cunha, professor de Infectologia da UFPR (Universidade Federal do Paraná) e presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia; Zeliete Zambom, médica de Família e Comunidade, professora da Faculdade de Medicina São Leopoldo Mandic e presidente Sociedade Brasileira Medicina de Família e Comunidade; Átila Iamarino, biólogo e pesquisador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: