Antiga sede da Editora Abril é vendida por R$ 118,8 milhões

O antigo prédio da Editora Abril, na marginal Tietê, em São Paulo, foi vendido nesta 6ª feira (21.mai.2021). O leilão virtual, pela plataforma Biasi Leilões, foi encerrado pouco antes das 11h e determinou a venda por R$ 118.783.000.

O leilão teve 2 compradores interessados, que realizaram 17 lances cada um. O valor final acertado é R$ 8,3 milhões a mais do que o lance mínimo, que era de R$ 110,5 milhões. A identidade dos interessados não é revelada no site do leilão.

O vencedor ainda pode precisar desembolsar mais R$ 1 milhão para pagar o processo de encerramento da Licença de Operação do imóvel, emitida pela Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo).

O complexo de várias edificações que abrigavam a Editora Abril tem 55.414 m² de área construída, e foi símbolo da empresa. No alto dos seus 8 andares há uma placa com o logotipo da Abril, visível para quem passa pela marginal Tietê.

A gráfica da editora, que ficava no complexo da marginal Tietê, junto do prédio, foi vendida em janeiro de 2021.

A Abril está em recuperação judicial desde 2018 –ano em que somava dívidas de cerca de R$ 1,6 bilhão. O leilão fez parte do processo de recuperação, como aprovado em uma assembleia dos credores e pela Justiça em 2019.

Além das contas em atraso, pesam contra a empresa as transformações na indústria de mídia impressa. Por muito tempo sua tiragem semanal foi superior a 1 milhão de exemplares. Em 2020, foram vendidas 144.141 cópias em papel, em média, por edição, e a revista perdeu 285.015 exemplares impressos e digitais. A queda em relação a 2019 foi de 52,2%.

No começo de março, o leilão foi anunciado na revista Veja:

O anúncio do leilão do prédio da Editora Abril foi publicado na revista Veja, a principal publicação da editora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: